Portal Revista Opinião

Autoridades não negociam com manifestantes; ânimos se acirram e ônibus é incendiado

Matéria publicada em, 1 de setembro de 2011

Por volta de 15h30, um ônibus foi incendiado no cruzamento das venidas João XXIII e Nossa Senhora de Fátima, Zona Leste de Teresina, bem proximo ao espaço cidadão. O Corpo de Bombeiros foi acionado e tentou isolar a área para evitar a aproximação de pessoas e extinguir as chamas. O veículo da empresa Transcol foi parado em frente a um bar, no sentido zona Leste – Centro.

Protestos na João XXIII

 Depois do incêndio a circulação das linhas de ônibus coletivos da capital foram suspensas. A informação foi divulgada pelo Setut – Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina – depois de um ônibus ser incendiado na zona Leste. O ato é atribuído a manifestantes contra o aumento da tarifa de transporte público. Eles protestam desde segunda-feira contra o reajuste de R$ 1,90 para R$ 2,10, decretado no último sábado.

 

Ônibus em chamas

Os manifestantes seguiram pela avenida Nossa Senhora de Fátima até a ponte estaiada. Na praça do Marquês, zona Norte, atearam fogo em sacolas de lixo. Pedras chegaram a ser atiradas em uma viatura do Gate – Grupo de Ações Táticas Especiais. O movimento, que não é composto  mais apenas por estudantes, seguiu em direção a avenida Frei Serafim. Alguns chegaram a fazer ameças para a equipe da TV Cidade Verde e a do Cidadeverde.com.

Bombeiros tentam conter as chamas

As autoridades de Teresina têm enfrentado de forma muito ingênua e atrasada as manifestações populares contrarias ao aumento da tarifa de transporte coletivo, que saltou de R$ 1,90 para 2,10 , da noite de sexta feira para a manhã de sábado(27). É preciso considerar que ultimamento o mundo vem passando por revoluções populares, sobretudo nas sociedades árabes, e também aqui na America, a exemplo do Chile que nos últimos dias enfrentou graves protestos de estudantes que buscavam melhorias e investimento na educação daquele país. Ressalte-se também o grande avanço dos meios de comunicações e das redes social que multiplicam noticias, ideias e revoltas, sobretudos entre os jovens, que já não mais aceitam a imposição, por mera vontade unilateral do executivo, sem considerar a opinião do principal interessado, o usuário.

Os políticos, que ficaram presos no tempo, precisam entender que o mundo tem passado por profundas e rápidas transformações com o advento dos modernos meios de comunicação. A sociedade quer fazer parte das decisões e discussões que lhes interessa. Não é mais cabido hoje, o governante autoritario, unilateral, que não pensa nos reflexos de suas decisões. Esperto seria se ouvisse o povo, antes que esses protestos ganhem corpo e passem a reivindicar outras aberrações, ainda mais graves, na sociedade atual. A citar o excesso de corrupção entre os representantes eletivos atuais.

Polícia observa de longe

Ônibus em Chamas

Da Redação           Com informações e fotos do Cidadeverde


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO