Portal Revista Opinião

Governador adia negociação com o SINTE. Promotora acha a atitude um desrespeito

Matéria publicada em, 4 de maio de 2012

Atualizada ás 21h

A reunião da comissão de professores em greve com o governador Wilson Martins foi adiada da noite desta sexta-feira (4) para a manhã deste sábado (5), a partir de 9h. O encontro é esperado pela categoria para definição da proposta de reajuste salarial – os grevistas querem 22% de aumento para encerrar o movimento de mais de dois meses.

A comissão que negocia o fim da greve dos professores da rede estadual ficou acampada na Secretaria de Educação – Seduc – por sete horas nesta sexta-feira (4). Os sindicalistas exigiam uma reunião com o governador Wilson Martins, que estava em viagem por municípios do Norte do Piauí e chegou a Teresina no início da noite.

Revoltados, os integrantes da comissão de negociação protestaram ao lado do Palácio de Karnak. Segundo eles, a assessoria da sede do governo informou que o governador não veio por conta do mal tempo, mas há informações de que desde o começo da noite o governador já se encontrava em Teresina. A promotora Leida Diniz, que representa o Ministério Público nas negociações, considerou o adiamento da reunião um desrespeito.

Comissão aguardando no karnak para falar com o governador

 

O grupo será recebido pelo gestor e o secretário Átila Lira no Palácio de Karnak. A comissão do movimento grevista é composta pela presidenta do Sindicato dos Trabalhadores da Educação no Piauí (SINTE-PI), Odeni de Jesus da Silva, pelo presidente da CUT/PI, Manoel Rodrigues, pelo vice-presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Milton Canuto, e representantes do Ministério Público, entre eles a promotora Leida Diniz. Eles afirmam apresentar os dados que comprovam a viabilidade do governo pagar o Piso Nacional do Magistério, uma vez que, os recursos do FUNDEB são suficientes para que a Lei seja cumprida.

O SINTE/PI afirma que a categoria quer o reajuste de 22% linear para todos os professores e a análise das planilhas da Seduc, feita desde ontem, pelos sindicalistas apontou que o Piauí teria recebido do governo federal cerca de 104 milhões de reais do Fundeb. E deste montante, R$ 21 milhões teriam sido depositados no último dia 30 de abril. Para a categoria, com tais recursos é viável aplicar o aumento integral para toda a categoria.

ANULADA CITAÇÃO DE ILEGALIDADE DA GREVE

A Assessoria Jurídica do SINTE-PI protocolou petição junto ao Tribunal de Justiça do Piauí requerendo a nulidade da citação recebida no dia 17 de abril sobre a ilegalidade da greve dos Trabalhadores em Educação Pública Básica do Piauí.

Em decisão proferida hoje, dia 04/05/2012, o Des. Sebastião Ribeiro Martins acatou os argumentos do SINTE e anulou a citação anterior, determinando que seja expedida uma nova citação. O que fica caracterizado legalmente com a nova decisão é que o SINTE-PI não foi comunicado sobre a ilegalidade da greve.

Segundo os sindicalistas, a ilegalidade do movimento paredista declarada em decisão anterior não tem validade para o SINTE-PI e  para a categoria, só podendo gerar algum efeito após uma nova citação do Sindicato.

Trabalhadores da educação realizam protestos em frente ao Karnak

Ontem (03), quando os Trabalhadores em Educação Básica Pública do Piauí, que estão em greve há 67 dias, realizavam uma Assembleia Geral, no acampamento montado ao lado do Karnak, o deputado Antônio Uchôa (PDT), que saía do palácio do governo, atropelou e feriu duas professoras que participavam das manifestações. O deputado furou o bloqueio que os trabalhadores haviam formado na Avenida Frei Serafim, próximo à igreja São Benedito. Uma das professoras passou mal após sofrer ferimentos na mão e nas pernas. A outra mulher ferida foi atingida no pé. O Samu foi chamado e prestou socorro às vítimas. O deputado fugiu sem prestar socorro.

Carro do deputado Uchôa sendo perseguido por manifestantes após atropelar professoras

 

Participaram do movimento alguns representantes da cidade de José de Freitas, entre eles a presidente do núcleo Carmem Solange, e os professores Josué Cruz, Francisco Luiz, Sílvio César, além de muitos professores efetivos que trabalham em José de Freitas e residem na capital.

SAMU prestando atendimento à professora atropelada por carro de deputado em frente ao Karnak

 

PALAVRA DA PRESIDENTE DO SINTE

A presidente do Sinte/Piauí, Odeni Silva, tem em mãos um extrato da conta em que o governo recebe os valores repassados pelo MEC para a aplicação na valorização da educação no Piauí.

Odeni Silva, presidente do Sinte sendo entrevistada na saída do Karnak

 

“Nesse extrato vemos que o governo recebeu R$ 22 milhões a mais para o pagamento do piso dos professores, mas o governo não o fez. Só neste mês de abril, somando os recursos do Fundeb com os outros recursos destinados a educação, são mais de R$ 70 milhões”, informou Odeni de Jesus, acentuando que os Trabalhadores em Educação Básica do Piauí só acabarão com a greve quando o governo, assim como fez a Prefeitura de Teresina, conceder, no mínimo, 22% de aumento linear para toda categoria.

Da Redação                         Informações: sinte                   Imagens: revistaopiniao


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO