SDR realiza encontro visando incentivar a produção leiteira no município de José de Freitas

Matéria publicada em, 20 de maio de 2011

REVISTA

Na manhã desta sexta-feira (20\05\11) a equipe do portal revistaopiniao.com acompanhou no assentamento Tucuns, localizado a 28 km deste município, um encontro organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Rural do Piauí – SDR, com produtores de leite. O objetivo do encontro foi fazer uma avaliação do desempenho do programa Balde Cheio que, em José de Freitas vem sendo desenvolvido na propriedade do senhor Antônio José Sampaio. Este programa consiste no gerenciamento da atividade leiteira, visando o máximo de produção com o mínimo de custos, aumentando assim o lucro do produtor e o barateamento do leite no mercado.

O programa Balde Cheio foi desenvolvido pela Embrapa, tendo sido iniciado em São Paulo. Hoje ele vem sendo desenvolvido em 23 estados da federação, distribuído em 4 mil propriedades, das quais 20 estão no Piauí. A propriedade do senhor Antônio José Sampaio, nos Tucuns, é a única a ser assistida por esse projeto em José de Freitas, tendo sido escolhida para a realização desse encontro por servir como modelo de bom desempenho para a região.

Sr. Antonio José Sampaio (produtor rural), Farias (SDR), Rosseto Júnior (Embrapa) e Romualdo Militão (Emater/PI)
Sr. Antonio José com representantes da Embrapa, SDR, BNB, Emater e produtores rurais

Antônio José Sampaio iniciou sua atividade leiteira em 2006, com apenas uma vaca, que produzia apenas 6 litros de leite por dia. No entanto, a partir do final de 2009, quando já contava com 9 matrizes leiteiras, passou a ser assessorado pelo projeto Balde Cheio através da SDR. Hoje Antônio José conta com 15 Matrizes e sua produção aumentou para onze litros de leite por vaca\dia. Antes do projeto o custo de produção por litro de leite era de R$ 1,20 (um real e vinte centavos) e hoje, com o aparato técnico, está em R$ 0,57 (cinquenta e sete centavos de real).

“Com esse projeto, a tecnologia e o ensinamento, a gente tem produzido mais e estamos bem mais felizes”, afirmou Antônio José Sampaio.

Sr. Antonio José conversando com colaboradores do portal revistaopiniao.com
Sr. Antonio José mostrando uma de suas melhores vacas leiteiras, a vaca Pipoca
Vacas leiteiras
Bezerro produzido através de inseminação artificial

Segundo o agrônomo da empresa Agrodinâmica, que presta serviço de consultoria para a Embrapa, João Rosseto Júnior, responsável pelo acompanhamento do projeto Balde Cheio nos estados do Piauí, Maranhão e Rondônia, o objetivo do projeto é treinar os técnicos (da SDR e do Emater) para que acompanhem os produtores de perto, fornecendo-lhes todo o aparato técnico necessário para se desenvolver. De acordo com os envolvidos o projeto necessita de maior incentivo por parte dos municípios no sentido de auxiliar os órgãos envolvidos e apoiar os produtores. Até o momento o projeto vem sendo desenvolvido apenas através da assessoria da SDR e dos esforços e dos recursos dos próprios produtores, sem nenhum incentivo da administração municipal.

Representante da Embrapa e técnicos da SDR e Emater

O encontro, organizado pelo supervisor da SDR e coordenador do projeto balde Cheio no Piauí, José Bezerra de Farias, foi acompanhado pelo representante do Banco do Nordeste Licínio Ferreira e Silva que sentiu a viabilidade do projeto e pretende disponibilizar linhas de créditos para os interessados em desenvolvê-lo.

Pessoas presentes no encontro realizado no centro comunitário do Assentamento Tucuns

O Sr. Antônio José que trabalha apenas com recursos próprios, disse que no mês de abril deste ano, conseguiu produzir 6.800 litros de leite, numa média de 126 litros por dia. Ele pretende ainda expandir sua produção utilizando a técnica de inseminação artificial, porém, para isso seria necessário uma parceria com outros produtores como forma de diminuir os custos, otimizar o tempo e aumentar a produção, já que não há incentivo da administração municipal.

OPINIÃO

Como se sabe, todo município deve se desenvolver através de políticas públicas que envolvam todos os setores da administração. Nossos munícipes precisam de oportunidades em todos os setores: seja uma melhor educação (novas salas de aulas, quadras esportivas, bibliotecas, melhores salários, formação de professores, etc), seja na formação de mão de obra especializada, seja no apoio ao turismo, seja no investimento em infra-estrutura (estradas, transportes, calçamentos, saneamento básico, energia elétrica etc), seja na saúde. Porém, uma área extremamente deficitária de investimentos, principalmente por parte da administração municipal, é a agropecuária.

Um projeto como este, de natureza sustentável, sem agressão ao meio ambiente, deveria ser trazido e incentivado pelo próprio poder público municipal, que se omite do desenvolvimento para acomodar apaziguados nos gabinetes de suas secretarias, criando um inchaço na folha de pagamento. Incentivar projetos como este, só traria bons resultados, alavancando a economia rural, fazendo crescer o agronegócio, gerando empregos e distribuindo renda, permitindo que o homem do campo alí permaneça e prospere, dando a seus filhos, aos filhos de seus filhos e às futuras gerações a oportunidade de crescimento, de formarem-se em uma universidade nas áreas em que são acostumados a trabalhar, qualificando-se e especializando-se cada vez mais.

Da Redação


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO