Reviravolta: filho é preso acusado de planejar e matar a mãe em Teresina

Matéria publicada em, 19 de janeiro de 2012

A morte de uma dona de casa no loteamento Cidade Verde, zona Sudeste de Teresina, no início do mês sofreu uma reviravolta nesta quarta-feira (18). O delegado Jefferson Calume, titular do 8º Distrito Policial, pediu a prisão temporária do filho da vítima. Ele frisa que o rapaz ainda não é acusado de cometer o crime, mas admite seu possível envolvimento.

Antônia Pereira Eduardo de Souza, 52 anos, foi achada morta no seu quarto. Ela teria sido agredida na cabeça com um banco de madeira. Na cena do crime, a polícia achou sinais de arrombamento na porta dos fundos e marcas em um muro, que poderiam indicar que alguém o pulou. Na época, o filho, não identificado, teria dado indícios de que o companheiro da mãe poderia ser apontado como suspeito. A polícia só foi acionada às 13h do dia seguinte.

Vítima, Antonia Pereira, morta aos 52 anos

 

O delegado do caso, Jefferson Calume, prefere cautela ao tratar do caso. “Nós estamos diante de um crime grave”, frisa. Segundo ele, a prisão temporária do jovem foi pedida depois dos autos apontarem contradições e obstáculos à investigação, além da necessidade de dirimir dúvidas. “A prisão temporária não é para dizer, nesse primeiro momento, que a pessoa de fato é o autor do crime. A prisão temporária é para que a gente possa investigar”.

Filho da vítima, suspeito de envolvimento no crime

 

O jovem teve prisão decretada por 30 dias, prorrogáveis por maior período ou suspensas quando a polícia entender que não há mais necessidade, ou a Justiça decidir pelo contrário. “De acordo com o que a gente for apurando, essa prisão pode ser reduzida ou prorrogada. Se eu tiver uma certeza da individualização da autoria do crime, podemos pedir a prisão preventiva”, acrescenta o delegado.

Quanto às suspeitas sobre Sebastião Elias de Sousa, ex-marido da vítima, o delegado comentou. “Ele nada mais é, na minha concepção, e posso até mudar de acordo com o que foi apurado, ele é tanto vítima como a vítima”.

Jefferson Calume informou ter solicitado material genético para comparação. Disse que a perícia também vai analisar roupas que teriam sido lavadas na madrugada do crime. “Existe uma pessoa sendo investigada”, conclui. O uso de entorpecentes também é uma das vertentes investigadas no inquérito policial.

Fonte: cidadeverde


Revista Opinião