Portal Revista Opinião

Reforma deve limitar número de legendas

Matéria publicada em, 14 de abril de 2011

Reforma Política

Um dos poucos pontos com chances de ser aprovado na reforma política, o fim das coligações nas eleições proporcionais, reduziria o número de partidos na Câmara dos atuais 22 para 16.

Levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) indica que, com o fim das coligações para as eleições de deputados federais, o PMDB, o PT e o PSDB seriam beneficiados com o aumento de suas bancadas.

O PMDB passaria dos atuais 78 deputados para uma bancada com 109. O PT subiria de 88 para 110 parlamentares, enquanto o PSDB saltaria de 53 para 63 deputados federais. Dos médios partidos, o PV seria o único beneficiado: ganharia mais um parlamentar, ficando com uma bancada de 15. O levantamento do Diap foi realizado com base no resultado das eleições de 2010.

Pelo estudo, dez partidos seriam prejudicados com o fim das coligações, perdendo deputados. São eles: o PTB, o PP, o PC do B, o PPS, o PRB, o DEM, o PSB, o PR, o PTB e o PDT. Já o PSOL, que não se coligou com nenhum partido nas últimas eleições, manteria a bancada de três deputados.

Projeções. As projeções feitas pelo Diap estimam que, com o fim das coligações, seis partidos não conseguiriam eleger nenhum de seus filiados para a Câmara: o PHS, o PMN, o PRP, o PRTB, o PSL e o PTC.

O fim das coligações nas eleições para deputados federais, estaduais e vereadores é um dos pontos do texto entregue ontem pelo senador Francisco Dornelles (PP-RJ), relator da proposta de reforma política, ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

Os demais projetos de lei e as propostas de emenda à Constituição aprovados pela comissão de reforma política do Senado serão entregues por Dornelles até o dia 20 do próximo mês.

Fonte: msn


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO