Professora demitida em Luis Correia explica aula de “nu artístico”

Matéria publicada em, 28 de agosto de 2011

Foto: divulgação

A professora Wanda Pinheiro dos Santos, que teve demissão dos quadros do governo do Estado publicada no Diário Oficial nesta semana, divulgou nota em que afirma que está recorrendo da decisão.

Na nota, Wanda explica ainda o que aconteceu durante a aula em que foi acusada de expôr um aluno numa atividade de artes.

Confira a nota na íntegra:

“Gostaria de esclarecer sobre fato ocorrido em 15.04.2011 durante uma aula de Artes que eu ministrava numa turma da 7ªB na Unidade Escolar Ricardo Augusto Veloso.

A minha proposta era de realizarmos um exercício de desenho de observação diante de um modelo vivo, diferentemente da aula passada, quando levei ilustrações de estátuas gregas referentes aos períodos: arcaico, clássico e helenístico, os quais conhecemos através da História da Arte.Pedi aos nossos alunos que fizessem os seus desenhos a partir destas ilustrações.

Na aula seguinte, quando perguntei –lhes se algum aluno poderia mostrar …o seu corpo para que seus colegas pudessem desenhá-lo, em nenhum momento, sequer, pensei em algum aluno expondo-se, sem roupas, diante da turma. Não relacionei o meu comentário sobre as idéias de perfeição e harmonia referentes ao estudo do período clássico da Arte Grega, ao objetivo de realizar um exercício de desenho de observação diante da nudez de um modelo vivo.

Imediatamente, um dos nossos alunos que sempre foi muito participativo e ativo, levantou-se e, diante da turma retirou a sua blusa, baixou sua calça comprida até o joelho e brincou com a turma, espontaneamente.

Considerei que naquele momento a melhor forma de contornar a situação seria abordar o valor RESPEITO. Por isso, perguntei à turma se algum deles estaria se sentindo constrangido diante de tal atividade.

No mesmo momento em que uma aluna manifestou-se contrária àquela situação, disse-lhes que não continuaríamos com tal exercício, pois estávamos em um espaço público e a nossa aluna tinha o DIREITO de não aceitá-la.Depois disso, o nosso aluno vestiu-se e voltou para o seu lugar. Era fim de horário e todos saíram brincando, naturalmente.

Sabemos que sala de aula não é um lugar apropriado para fazermos uma atividade de desenho diante de um modelo nu, seja com adultos, e muito menos, com adolescentes e crianças.

Ocorre que, no instante em que o aluno baixou a sua calça comprida, a nossa Diretora estava passando pelo corredor, e, ao ver aquela cena, voltou para a sua sala.

Três dias depois, fui chamada pela Direção desta Escola que comunicou-me que eu deveria afastar-me da sala de aula.Senti-me extremamente ofendida e, manifestando-me contrária a tal decisão, disse-lhes que estava naquela Escola para trabalhar e não para obedecer àquela ordem , que, sem dúvida tinha um caráter autoritário, pois não me concedia o direito de defesa.

Depois de audiência realizada devido à abertura de um processo administrativo após o exame de uma comissão de sindicância da Secretaria Estadual de Educação realizado nesta Escola, pensei que tudo estaria esclarecido, pois expliquei-lhes o ocorrido com todo o meu zelo para com a minha verdade como profissional que zela pelo seu trabalho.

Dia 22.08. depois de aceitar a proposta que me foi apresentada pela Justiça, através do Fórum de Luís Correia- Piauí, de ministrar palestras sobre Educação Sexual em todas as escolas deste município, estava realizando os meus estudos quando li, pela internet, uma página do Diário Oficial do Estado que comunicava a minha demissão.

No momento, por intermédio do meu advogado, estou recorrendo da decisão Governamental.

Profª.Wanda Pinheiro dos Santos”

Fonte: cidadeverde


Revista Opinião