Prefeito se nega a subsidiar o transporte de trabalhadores e estudantes

Matéria publicada em, 9 de março de 2011

A saga continua: ex-prefeito deixa débito com a empresa São Joaquim e atual se nega a cumprir acordo fechado.

Celson da ATEUTEC em negociação com o prefeito
No dia 5 de janeiro deste ano (2011), foi fechado um acordo entre o Prefeito Ricardo Camarço, o presidente da Associação dos Trabalhadores e Estudantes Usuários de Transporte Coletivo de José de Freitas –ATEUTEC, Celson Bezerra e o proprietário da empresa São Joaquim, Raimundo Barroso para que a prefeitura municipal de José de Freitas retomasse o repasse de 8 mil reais mensais para a empresa São Joaquim, como forma de subsídio para que a passagem de estudantes e trabalhadores ida e volta a Teresina ficasse no valor de R$ 6,00 (seis reais), além de assumir o débito de 130 mil reais deixado pela administração do ex-prefeito Robert Freitas.

No entanto, em nova reunião realizada no último dia 22 de fevereiro entre o presidente da ATEUTEC, Celson Bezerra, o Prefeito Municipal Ricardo Camarço e sua Assessoria Jurídica e Contábil, o prefeito e sua assessoria afirmaram que não será possível subsidiar o deslocamento de trabalhadores e estudantes junto à empresa São Joaquim, subsidio esse que garantiria um abatimento de passagens aos mais de 1.700 usuários que viajam diariamente.

O prefeito e sua equipe argumentaram que esse tipo de repasse, oriundos da saúde e educação, seria caracterizado junto ao TCE como assistencialismo, podendo até mesmo comprometer a gestão municipal, dificultando a sua prestação de contas.

Segundo o presidente da associação, Celson Bezerra, o prefeito agiu de má fé com a classe, pois em reunião anterior chegou a afirmar ter resolvido o problema na presença de mais de 100 usuários que participaram da assembléia realizada no dia 5 de janeiro deste ano, no auditório do Centro de Treinamento.

“Caracterizo a atitude do prefeito como um desrespeito a nossa classe em prometer algo que não pode cumprir, infelizmente voltamos à estaca zero e a qualquer momento podemos perder o beneficio do abatimento de passagens por falta de vontade política dos nossos representantes que para chegar ao poder apresentam mil facilidades para convencer as pessoas menos esclarecidas”, desabafa o presidente da associação da classe Celson Bezerra.  

Celson em assembleia da ATEUTEC

O presidente diz ainda que  diariamente vem sendo cobrado  pelos  estudantes que já iniciaram o ano letivo  sobre as carteiras de abatimento, que seriam emitidas neste mês de março, caso o prefeito tivesse honrando seu compromisso. No entanto, a emissão das carteiras está cancelada em decorrência do descumprimento do acordo por parte do prefeito. E os usuários ficam à mercê do proprietário da empresa, que pode cancelar as carteiras de abatimento a qualquer momento.

Isso se notabiliza por ser um descaso com estudantes e trabalhadores, classes que buscam a liberdade através de conhecimentos ou do trabalho, sem precisar levar seus currículos para os gabinetes da prefeitura. Pessoas livres é um risco para essa política local atrasada. Talvez, por isso, há má vontade em ajudá-los. 

Da Redação


Revista Opinião