Após 12 horas, reunião entre prefeito de Teresina e estudantes termina em acordo

Matéria publicada em, 18 de janeiro de 2012

 

Depois de 13 dias de manifestações #ContraOAumento, com vários episódios, entre eles a queima de ônibus, o boicote nas passagens, a truculência por parte da polícia e a detenção de estudantes, prefeitura e movimento chegam a um acordo.

Poder público e representantes dos manifestantes se reuniram no Palácio da Cidade desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira, 18, para negociarem o fim do movimento.

Reunião do poder público com os líderes do movimento

 

O prefeito Elmano Férrer e sua equipe receberam representantes da UMES (União Municipal dos Estudantes Secundaristas), UNE (União Nacional dos Estudantes), UBEs (União Brasileira dos Estudantes) regional e nacional e dos DCEs e de faculdades e das universidades públicas. Também participam da reunião o procurador do Ministério Público, Alípio Santana, o desembargador Edvaldo Moura, presidente do Tribunal de Justiça do Piauí e o representante do Ministério Público Federal, Tranvanvan Feitosa.

Na reunião, que terminou por volta das 20h, Prefeitura de Teresina e entidades estudantis e sindicais chegaram a um acordo para suspender as manifestações contra as mudanças no sistema de transporte público, interrompidas em seu 13º dia para a negociação.

Ficou acordado que a tarifa de R$ 2,10 será mantida, mas a segunda condução na integração passa a ser gratuita em 30 dias. Por enquanto, continua sendo cobrado metade do valor para o outro ônibus.

Outra reclamação foi atendida. O tempo limite para se pegar a segunda condução, atualmente de uma hora, passará a ser de uma hora em trechos de até oito quilômetros e até duas horas para percursos acima dessa distância.

Pelo acordo, a partir de 1º de março a integração será plena para 33% das linhas. Já em 1º de junho, o usuário poderá pegar qualquer ônibus para o segundo trecho, pois a integração deverá ser plena. Hoje uma linha só integra com determinado grupo de outros ônibus da capital.

Também será montado um grupo de trabalho para avaliar a integração e foi assumido compromisso pelo cumprimento do Plano Diretor de Transportes.

José Eduardo Araújo Borges, membro da União da Juventude Socialista, disse que a gratuidade do segundo trecho já repercute na planilha e a prefeitura alegou que a auditoria feita confirma o valor de R$ 2,10. Ele avalia o acordo como uma vitória para o movimento na luta pela qualidade do transporte público e melhor fiscalização do serviços.

Deolindo Moura, da União de Vanguarda da Juventude, comentou os pontos não conquistados. “Em relação à licitação e redução da tarifa, não conseguimos satisfazer nossas pautas, mas tivemos grandes avanços em relação ao sistema de integração. Agora é um momento de cautela para o movimento. É hora de refletir e garantir a comunhão de forças”.

Da Redação


Revista Opinião