Paulistão: Com dois gols de Thiago Heleno Verdão é líder do momento

Matéria publicada em, 27 de março de 2011

Zagueiro vive noite especial: Alviverde faz 3 a 0 no Bragantino e é o primeiro time a se classifcar para próxima fase. Agora torce por tropeço do Corinthians

Thiago Heleno - o nome do jogo

A noite palmeirense será tranquila. Com uma vitória por 3 a 0 sobre o Bragantino neste sábado, no Canindé, o Palmeiras cumpriu o seu papel e conseguiu assumir momentaneamente a liderança do Campeonato Paulista, além de ter garantido a classificação antecipada para a próxima fase da competição. O placar foi construído com dois gols de Thiago Heleno, que até o ano passado era criticado no Corinthians.

Com o resultado, o Alviverde chega a 35 pontos, um a mais que o Corinthians. E torce para que o arquirrival seja derrotado pelo São Paulo no clássico deste domingo, na Arena Barueri. No domingo que vem, o time enfrenta o Santos, na Vila Belmiro.

Já o Bragantino permanece com 19 pontos, na 11ª colocação. No próximo domingo, o time tenta se recuperar em casa contra a Ponte Preta.

Sem Assunção, Thiago Heleno resolve

Dos primeiros colocados do estadual, o Palmeiras foi o único que jogou na noite deste sábado. Com chances de assumir a liderança e precisando de apenas um ponto para se confirmar na próxima fase da competição, o Alviverde tratou logo de assumir o comando do jogo. E de abrir o marcador.

Aos dois minutos, Rivaldo sofreu falta na intermediária. Sem Marcos Assunção, suspenso, sobrou para Thiago Heleno a responsabilidade de ser o homem das bolas paradas. E ele cumpriu a sua missão com perfeição. Aproveitando uma brecha no meio da barreira, o zagueiro bateu forte e fez 1 a 0 no Canindé.

Durante boa parte da primeira etapa o Palmeiras teve pleno domínio da partida. E boas chances de ampliar a vantagem, como no chute de Adriano, por cima do gol, ou na arrancada de Kleber, que foi brecada por Gilvan.

No Bragantino, que aprontou para cima do Santos na semana passada (venceu por 3 a 2), as principais válvulas de escape eram Rodriguinho, que aproveitava bem o erro de marcação de Cicinho, e Cristian, que levava algum perigo na bola parada. Em uma das tentativas do cabeludo meia do Bragantino, Deola livrou o Alviverde de tomar o empate.

Apesar de ter mais qualidade, o Palmeiras deu uma relaxada na marcação depois dos 30 minutos. E Deola passou a ver os atacantes do Bragantino mais de perto. Para a sorte do goleiro, o time interiorano estava pouco inspirado, o que levava o técnico Marcelo Veiga à loucura. Bom para a torcida alviverde, que podia comemorar nas arquibancadas na hora do intervalo.

Percebendo que o Palmeiras tinha dificuldades para avançar pelo lado esquerdo do campo com Rivaldo, Felipão procurou abrir mais a equipe, além de dar força e altura ao time. Assim, Adriano saiu para a entrada de Luan.

O lado direito também apresentava dificuldades na marcação. A todo instante Cicinho era desafiado por Rodriguinho ou Léo Jaime. E acabava cometendo faltas, o que irritou Felipão. A medida foi radical. O camisa 2 deixou o campo e Márcio Araújo passou a exercer a função no setor – João Vitor entrou para compor o meio-campo.

Apesar de o Bragantino ter apertado mais o Palmeiras na segunda etapa, o jogo seguia no marasmo. E, assim, um lance bizarro do time visitante acabou chamando a atenção. Aos 27, Nego rolou a bola para Rodriguinho, mas o árbitro Magno de Sousa apareceu na frente e acabou estragando um lance que poderia ser bom para o Braga.

Aos 35, o jogo que se arrastava ganhou alguma graça com o 2 a 0 do Palmeiras. E novamente com Thiago Heleno. Em cobrança de falta de Lincoln, o zagueiro subiu mais alto, cabeceou e venceu mais uma vez Gilvan. O defensor, que no ano passado foi contestado no Corinthians e chegou sob desconfiança no Alviverde, viveu uma noite única. E colocou o time provisoriamente na liderança do Paulistão.

Os 2 a 0 já garantiam a liderança provisória e a classificação à próxima fase. E, pela substituição de Felipão, parecia que a possibilidade de mais um gol sair seria mínima – ele tirou Kleber, pendurado, e colocou o zagueiro Maurício Ramos. Mas o Palmeiras fez mais. Aos 42, João Vitor, em contragolpe veloz do Alviverde, fez 3 a 0 e consolidou a vitória. 

 


Revista Opinião