Portal Revista Opinião

Parlamentares querem unidade da Fiocruz no Piauí

Matéria publicada em, 27 de abril de 2011

Na noite de ontem (26), parlamentares piauienses estiveram com o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, para solicitar que ele defenda junto à presidência da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) a instalação de uma unidade da instituição no Piauí. Os parlamentares piauienses destacam a posição estratégica de Teresina, por ser a capital do sertão do Nordeste, o que caracterizaria a unidade como o Instituto Sertanejo da Fiocruz.

 

Fiocruz no Piauí

Durante o encontro, parlamentares ressaltaram que a medida é de extrema importância, pois o Piauí é um pólo de saúde no meio norte do Brasil, e que o estado precisa se fortalecer e se especializar cada vez mais para manter a condição de atender bem aos piauienses e aos pacientes de outros estados.

O médico e ex-diretor do Hospital de Doenças Tropicais Natan Portela, Carlos Henrique Nery Costa, também participou da reunião por ser um dos maiores defensores da ideia, desde 2008, quando a unidade foi solicitada. “Nunca houve resposta formal ao nosso pedido e o Piauí se sentiu discriminado, já que foi o primeiro a apresentar projeto. Desde então, cinco estados tiveram suas propostas contempladas”, ressaltou o médico.

A proposta atual prevê a destinação de emendas parlamentares e recursos do Governo Federal para que a unidade seja construída.

“Seria uma grande conquista para os piauienses, já que a Fiocruz investe na biotecnologia, na educação e, no Piauí, a maior intenção é pesquisar doenças do sertão, como Doença de Chagas, tuberculose, hanseníase e calazar”, ressaltou Carlos Nery Costa.

O ministro Padilha afirmou que levará a solicitação ao presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, em reunião agendada para a próxima semana.

Fundação
Hoje, a Fundação Oswaldo Cruz, vinculada ao Ministério da Saúde, abriga atividades que incluem o desenvolvimento de pesquisas; a prestação de serviços hospitalares e ambulatoriais de referência em saúde; a fabricação de vacinas, medicamentos, reagentes e kits de diagnóstico; o ensino e a formação de recursos humanos; a informação e a comunicação em saúde, ciência e tecnologia; o controle da qualidade de produtos e serviços; e a implementação de programas sociais.

Fonte: cidadeverde


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO