Oposição indicará ‘chapa alternativa’ para compor comissão especial do impeachment de Dilma

Matéria publicada em, 7 de dezembro de 2015

O presidente nacional do Solidariedade, Paulo Pereira da Silva (SP), conhecido como Paulinho da Força, informou nesta segunda-feira (7) que partidos da oposição, incluindo o PSDB e DEM, e uma ala do PMDB, vão lançar uma “chapa alternativa” pró-impeachment para compor a comissão especial que irá analisar o pedido de impedimento da presidente Dilma Rousseff.

A maioria dos partidos já começou a anunciar nomes para compor o colegiado, que terá 65 membros. A oficialização dos nomes, porém, depende da aprovação pelo plenário da Câmara, que ocorrerá numa sessão marcada para a tarde desta terça-feira (8).

O objetivo da chapa alternativa, segundo Paulinho, é compor um grupo com deputados do PMDB que são críticos ao governo Dilma, já que o líder da bancada na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), pretende apresentar apenas nomes mais em sintonia com o Palácio do Planalto.

“Vamos retirar as nossas indicações da chapa oficial. Toda a oposição vai tirar”, afirmou Paulinho. Os líderes dos demais partidos ainda não se manifestaram. O líder do PPS, Rubens Bueno (PR), disse que a posição do seu partido ainda não está definida.

Para poder disputar, a chapa precisa ter, no mínimo, 33 nomes dos 65 lugares na comissão. Segundo Paulinho, na hora da eleição para a comissão especial, os deputados terão que escolher entre a chapa oficial e a alternativa. Os partidos que não tiverem indicações na chapa vencedora serão instados a apresentar as indicações para completar as vagas. Em seguida, esses nomes serão votados.

Uma sessão da Câmara havia sido marcada para a noite desta segunda para eleger a comissão que irá analisar o processo. Inicialmente, os líderes partidários haviam entrado em acordo para não permitir candidaturas avulsas.

Segundo o líder do PT, Sibá Machado (AC), a possibilidade de uma chapa avulsa foi permitida pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que também estendeu o prazo para os partidos indicarem os membros.

“É inaceitável. Essa comissão já começa inviabilizada. Está se permitindo uma briga interna das bancadas com indicação de membros para outra chapa”, criticou Sibá. “É uma confusão! É a segunda mexida. O prazo para indicação era hoje às 14h. O presidente passou para 18h. Agora remarca para amanhã e permite que dentro de uma mesma bancada haja indicações para outra chapa. É inaceitável”, disse depois, acrescentando que analisará meios de recorrer da decisão.

Fonte: G1


Revista Opinião