O verdadeiro juiz do caso

Matéria publicada em, 25 de maio de 2011

Voto consciente

Continua nos tribunais a briga entre o atual e o ex-prefeito pelo comando da prefeitura de José de Freitas. No mais recente capítulo, o ex-prefeito deu entrada, nesta terça-feira (24\05\11), com um Recurso Especial junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pedindo a reformulação da decisão que cassou seu mandato por compra de votos e abuso do poder econômico. O recurso agora está nas mãos do ministro daquela corte Gilson Dipp, o qual tomará sua decisão, baseado na legislação eleitoral e nas provas e versões acostadas ao processo, e porá um “ponto final” na briga pelo poder em José de Freitas.

No entanto, os verdadeiros juízes dessa história são os cidadãos livramentenses, aqueles que são donos de sua própria vontade e que não se curvam a líderes de uma política arcaica e ultrapassada, onde se faz política com troca de favores, seja ela em dinheiro, em espécie, ou promessas de cargos ou empregos. Este cidadão, livre e consciente do que se passa na sua comunidade saberá julgá-los na hora certa.

A política, em sua essência, busca o bem estar social, e o verdadeiro cidadão é aquele que ver o Estado (município) como ente jurídico que tem obrigação de lhe proporcionar esse bem estar social, através de educação, saúde, segurança, lazer, cultura e infra-estrutura para que empresas se instalem abrindo vagas de empregos para seus cidadãos livres (todos esses são direitos garantidos na Constituição Federal).

Já o cidadão que vê o Estado (município) como único meio de lhe prover o sustento (dando-lhe um emprego, sem concurso, por exemplo), esse, amarra o desenvolvimento e torna-se vítima de suas próprias práticas, tornando-se totalmente dependente dos falsos chefes políticos, e maculando sua imagem para toda sua descendência.

Falar das duas correntes políticas que brigam pelo poder em José de Freitas? Não precisa. A história e práticas das duas já falam por si só.

Política séria se faz com confiança e não com troca de favores. O ato de votar em alguém é um ato de muita confiança em uma pessoa (candidato), daí a importância de ser um alguém de vida ilibada e história de vida limpa.

(Por Edgar Gonçalves Saraiva, Policial Civil, graduado em história pela UESPI, ex-policial militar, ex-professor das redes particular e estadual de ensino.)


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO