Morre aos 61 anos o ex-volante Caçapava, com passagem por vários clubes do Piauí

Matéria publicada em, 27 de junho de 2016

Morreu na manhã desta segunda-feira o ex-volante Caçapava, multicampeão pelo Inter na década de 1970. Ele tinha 61 anos e foi vítima de um infarto em sua cidade natal, Caçapava do Sul, por volta das 7h30.

Caçapava em 2012 (Foto: Agência RBS)
Caçapava em 2012 (Foto: Agência RBS)

Luís Carlos Melo Lopes começou a carreira no Gaúcho, time de sua cidade natal, com 18 anos de idade. Chegou ao Inter em 1972. Dois anos depois, conquistou seu primeiro grande título com a camisa colorada, do Campeonato Gaúcho, que voltaria a vencer em 1975, 1976 e 1978. Suas maiores conquistas, no entanto, foram os dois títulos brasileiros de 1975 e 1976.

Em 1975, foi protagonista na semifinal diante do Fluminense de Didi, então conhecido pelo apelido de “Máquina Tricolor”. Escalado por Rubens Minelli no lugar de Escurinho, recebeu a incumbência de marcar Rivellino, missão que desempenhou com maestria. Com gols de Lula e Carpegiani, o Inter venceu por 2 a 0 em pleno Maracanã e abriu caminho para o primeiro título nacional do futebol gaúcho na final contra o Cruzeiro.

Caçapava em 1978 (foto: Agência RBS)
Caçapava em 1978 (foto: Agência RBS)

– No jogo, na primeira que ele (Rivellino) dominou a bola e virou de frente, ele fez o elástico. Mas eu já dei a pancada, e ele ficou sem a perna de apoio – recordou Caçapava, em dezembro do ano passado, em entrevista ao GloboEsporte.com e à RBS TV para recordar os 40 anos daquela conquista.

Em 1979, Caçapava transferiu-se para o Corinthians, clube pelo qual foi campeão paulista no mesmo ano. Jogou ainda no Palmeiras, Vila Nova-GO, Ceará e voltou ao futebol gaúcho para atuar no Novo Hamburgo. Se aposentou em 1987, no Fortaleza.

No Piauí fez carreira como técnico do River, 4 de Julho, Flamengo-PI e Piauí no início da década de 1990. Ele permaneceu no Piauí por aproximadamente 20 anos, trabalhando em escolinhas.

Atualmente, Caçapava trabalhava no setor de relacionamento social do Inter e participava dos eventos consulares do clube em várias cidades do estado. Em homenagem ao ídolo, a bandeira do Inter no Beira-Rio foi hasteada a meio mastro. O clube deve preparar outras homenagens ao ex-jogador.

Fonte: globoesporte.com


Revista Opinião