Médicos do Piauí fazem protesto atendendo em praça pública

Matéria publicada em, 14 de janeiro de 2012

Médicos de Teresina promoveram um manifesto diferente na manhã deste sábado (14). Ocorreu na praça João Luis Ferreira, centro da capital, um movimento social de atendimento e esclarecimentos no setor da saúde como forma de protesto contra o SUS.

Lúcia Santos

 

“Este é um movimento em defesa do SUS e em defesa da saúde pública do Piauí. 90% da população do Estado depende do Sistema Único de Saúde”, informa a presidente do Sindicato dos Médicos (Simepi), Lúcia Santos.

Pessoas sendo atendidas pelos médicos
Atendimento médico

 

Eram esperadas cerca de 500 pessoas para o dia. Entretanto, até às 11h a espectativa já havia sido superada. Somente na área de Cardiologia foram realizados mais de 100 atendimentos à pessoas que transitavam pela praça.

“Viemos nos manifestar mostrando aquilo que fazemos de melhor que é atender e tratar a população do Estado. Esperamos assim chamar a atenção da administração pública a fim de revigorar o sistema único de saúde”, disse a presidente do Simepi.

Pessoas sendo atendidas

 

Foram realizados atendimentos e orientações em 10 especialidades médicas como ginecologia, pediatria e endocrinologia. No movimento, será produzido um abaixo assinado que será entregue ao governador, ao prefeito de Teresina e ao MPE.

“Um SUS de qualidade é tudo que os diabéticos querem. Iniciamos uma luta pelo acesso à medicação e estamos sempre vigilantes principalmente em relação a demora no atendimento pois o diabético necessita de multidisciplinaridade no seu atendimento, o que dificulta a situação”, avalia a membro da Associação dos Diabéticos do Piauí, Geane Melo.

Durante o evento foram distribuídos contraceptivos, materiais educativos com informações sobre doenças sexualmente transmissíveis e calendário de vacinação da mulher. O serviço de pediátrico promoveu teatro de bonecos e participação de palhaços.

Movimento médico
Entre as reivindicações estão: melhoria das estruturas dos hospitais; facilidade ao acesso a consultas e exames; fornecimento com regularidade e gratuidade de medicamentos; melhores condições de trabalho e remuneração aos profissionais de saúde; aumento no número de leitos nos hospitais; aplicação adequada de recursos destinados ao SUS; contratação de mais profissionais para a saúde; melhoria e modernização dos equipamentos e implantação de gestão de qualidade.

Da Redação                                      Fonte: cidadeverde


Revista Opinião