Líbia nega violação a cessar-fogo após ultimato da ONU

Matéria publicada em, 18 de março de 2011

Tropas leais a Kadhafi não vão entrar no reduto rebelde, diz vice-chanceler. Desconfiadas do cessar-fogo, potências deram ultimato ao ditador.

Ditador Líbio Muammar Kadafi

A presença de forças leais a Muammar Kadhafi próximo a Benghazi não viola o cessar-fogo imposto pela ONU, disse nesta sexta-feira (18) o vice-chanceler da Líbia, Khaled Kaim. Ele negou relatos de que os bombardeios teriam continuado apesar do cessar-fogo e afirmou que o governo não tem planos de atacar a fortaleza dos rebeldes, no norte do país.

“Consideramos a presença do Exército importante para a segurança dos cidadãos”, disse. “Isso não viola o cessar-fogo. O cessar-fogo significa nenhuma operação militar, grande ou pequena. As forças armadas estão fora de Benghazi e não têm intenção de entrar na cidade”, disse o vice-chanceler Líbio.

A TV Al Jazeera relatou à noite que tropas leais ao ditador, contestado há mais de um mês por uma revolta popular, estavam avançando rapidamente rumo a Benghazi, combatendo rebeldes a cerca de 50 km da cidade. A France Presse relatou que há disparos na cidade.

A França, o Reino Unido, os EUA e os países árabes deram nesta sexta um ultimato a Kadhafi, um dia após a ONU ter dado sinal verde a uma ação militar contra o governo do país do norte da África.

Em documento, os países pedem que Kadhafi paralise imediatamente sua campanha militar na cidade de Benghazi. Caso contrário, os países iriam intervir militarmente, como autorizado pelo Conselho de Segurança da ONU.

Eles também pedem que o governo líbio retire suas tropas de três cidades: Misrata, Zawiyah e Ajdabiya.

“A resolução 1973 adotada pelo Conselho de Segurança impõe obrigações bem claras e que devem ser respeitadas”, afirma o comunicado.

O documento, divulgado pela Presidência da França, também pede que as autoridades líbias religuem os serviços de fornecimento de gás, eletricidade e água nas cidades onde eles foram cortados. De acordo com o documento, nenhuma dessas condições é negociável.

O presidente dos EUA, Barack Obama, afirmou que Kadhafi foi amplamente avisado das consequências de seus atos antes que as potências optassem pela ação militar.

O Pentágono também informou que vai posicionar mais navios no Mar Mediterrâneo, próximo à costa da Líbia, para apoiar eventuais ações militares.

Uma coalizão de nações ocidentais e o Qatar preparavam-se nesta sexta para começar a atacar por ar as forças leiais a Kadhafi.

O chefe da diplomacia francesa, Alain Juppé, afirmou que “tudo está pronto” para uma ação militar na Líbia, apesar de uma cúpula entre União Europeia, União Africana e Liga Árabe, prevista para este sábado em Paris, que permitirá analisar o cessar-fogo recém-anunciado por Trípoli.

“Estamos prontos, mas a reunião de amanhã, da qual participarão muitos países europeus, os americanos, os países árabes e os africanos, será a ocasião de analisar as declarações que acabam de ser feitas pelo regime de Kadhafi sobre o cessar-fogo, e tirar conclusões”, explicou Juppé.

Franceses, britânicos e americanos, apoiados por Qatar, seriam os protagonistas destas primeiras ações aéreas.

A base italiana de Sigonella, na Sicília (sul), poderá ser utilizada por Londres e Washington, enquanto a França dispõe de sua própria base em Solenzara, Córsega.

Outros países membros da Otan – Canadá, Noruega, Dinamarca, Bélgica -, anunciaram sua intenção de se unir à coalizão, aportando aviões de transporte, caça-bombardeiros F-16 e F-18, entre outros meios, para participar dos ataques ou apoiar uma operação humanitária.

Seis aviões CF-18 canadenses previam dirigir-se nesta sexta à região para contribuir para implementar uma zona de exclusão aérea no espaço líbio, que tem por objetivo impedir a aviação de Kadhafi de voar e bombardear os rebeldes.

Outros países, como Dinamarca e Noruega, devem ainda obter o aval de seus respectivos parlamentos ou formalizar sua decisão para se somar à coalizão.

Apesar de todas essas nações pertencerem à Otan, a Aliança, dividida há semanas sobre a conveniência de lançar uma intervenção militar na Líbia, limitou-se na sexta-feira a “acelerar os planos” para uma eventual participação, segundo um responsável da organização atlântica.

A Alemanha, que rejeita apoiar qualquer operação militar na Líbia, absteve-se na quinta-feira no voto sobre a resolução do Conselho de Segurança da ONU que permitiu o recurso à força contra Kadhafi e foi apresentada por Paris e Londres.

A chanceler Angela Merkel disse que buscava uma forma de não bloquear uma participação da Aliança, sem que seu país tivesse de intervir, estudando retirar em especial o pessoal alemão no comando dos aviões-radares Awacs da Otan mobilizados no Mediterrâneo.

Mas apesar de Berlim ter aberto o caminho, ainda restará Turquia, membro da Otan hostil com população majoritariamente muçulmana, que é hostil a uma intervenção militar no sul do Mediterrâneo.

Quanto à França, pouco favorável a uma ampliação da zona de intervenção da organização militar na África do Norte, privilegia uma coalizão de países voluntários da qual participem nações árabes, como Qatar, que confirmou sua participação, ou os Emirados Árabes Unidos.

Uma vez descartado que a Aliança assumirá “a direção” das operações na Líbia, as opções sobre a mesa são uma participação na zona de exclusão aérea, na vigilância sobre o embargo de armas imposto pela ONU ao regime de Kadhafi ou uma missão de caráter humanitário, segundo fontes diplomáticas.

Fonte: g1.com


Revista Opinião