Portal Revista Opinião

Kleber: adeus ao Palmeiras pela porta dos fundos?

Matéria publicada em, 12 de outubro de 2011

Felipão exige, e diretoria apoia: Kleber não joga mais com o técnico, está livre para fazer negociações com outros clubes e treinará em separado.

kleber: adeus ao palestra pela porta de trás

Kleber deve se despedir do Palmeiras pela porta dos fundos. Nesta quarta-feira, na concentração do time no Rio de Janeiro, horas antes do jogo contra o Flamengo, o técnico Luiz Felipe Scolari deu um ultimato à diretoria e afirmou que o atacante não joga mais sob seu comando. O jogador nem viajou com o grupo para o Rio.

Segundo um dirigente próximo ao vice Roberto Frizzo, a cúpula do Verdão ficou ao lado do treinador e vai comunicar a decisão ao Gladiador, que será autorizado a negociar seu futuro com outros clubes. Até o fim do Campeonato Brasileiro, a diretoria quer que ele treine separadamente na Academia de Futebol. O presidente Arnaldo Tirone ainda precisa avalizar a decisão.

O mesmo dirigente relatou que a irritação de Felipão atingiu um nível “insustentável” e que, mesmo com os recentes atritos do técnico, nunca o viu tão nervoso quanto na terça-feira. O caso serviu para aproximar Frizzo e Felipão. Ao mesmo tempo, o comandante se vê afastado do seu grupo de jogadores – boa parte foi solidária a Kleber.

No desembarque no Rio de Janeiro, os jogadores mantiveram o silêncio. Em conversas na concentração, alguns manifestaram a vontade de não jogar contra o Flamengo em solidariedade a Kleber. A hipótese foi descartada pouco depois, mas a relação entre elenco e técnico ficou estremecida.

A revolta de Kleber veio após a notícia da agressão de torcedores ao volante João Vitor, na tarde de terça-feira. Foi ele quem liderou uma corrente que preferiu passar a noite em casa a reunir todo o elenco na concentração, em um hotel da zona norte de São Paulo – a discussão foi pesada. O fato foi tratado como insubordinação à diretoria, e por isso o Gladiador não viajou com o elenco para o Rio de Janeiro.

Kleber tem 50% dos direitos econômicos pertencentes ao Palmeiras, com os outros 50% ainda do Cruzeiro, seu antigo clube. A multa rescisória firmada em contrato está hoje na casa dos R$ 143 milhões (esse valor cai proporcionalmente a cada ano de vínculo cumprido). O Gladiador tem compromisso firmado com o Verdão até a metade de 2015. Recentemente, o Corinthians sondou o jogador, mas Arnaldo Tirone fez jogo duro e disse que dificilmente faria negócio com um clube rival.

Fonte: g1


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO