Homenagem ao vaqueiro: homem de fé

Matéria publicada em, 11 de agosto de 2011

Percorrendo as narrativas e o imaginário cultural do nordeste brasileiro, certamente, nenhum personagem simboliza e traduz tanto a essência do “ser sertanejo” como a tradicional figura do vaqueiro. Materializando valores morais essenciais a constituição da dignidade do homem como a determinação e honestidade, aliados a coragem e destreza, o vaqueiro, na lida de suas fatigas atividades diárias, está sempre em constante exposição a perigos diversos, como: o “tombo” do cavalo, a chifrada de uma rês, a tirania de um coronel opressor e aos afiados e pontiagudos galhos e espinhos comuns aos domínios vegetativos do Nordeste. Como forma de proteção diante deste e de outros perigos, além de sua indumentária, o tradicional “terno de couro” (perneira, gibão, chapéu, peitoral, luvas e botas), o vaqueiro vale-se de uma prática, que, segundo ele mesmo, é a mais importante e essencial: a fé.

A fé é algo extremamente associado à vida do vaqueiro, fundamentando, além de sua espiritualidade, a expectativa de uma vida materialmente melhor, pois parte de seu “salário” e pagamento dependia de “tirar a sorte” na produção, onde de forma previamente acertada com o “patrão”, o mesmo, embora diante das incertezas comum ao futuro, mas confiante em seu trabalho e contemplando o vindouro de forma otimista, ganharia um em cada quatro filhotes de gado que nascessem sob seus cuidados.

Como forma de manifestação e exercício da fé da vaqueirama, destacamos também a vivência religiosa, prática esta que é homenageada nos Festejos de Nossa Senhora do Livramento, sempre no dia 12 de Agosto, com uma programação religiosa marcada por missas, procissão, paga de promessas e novenas, além de uma parte social animada por passeios, festas, comparecimento junto às barraquinhas e vaquejada, que lhes oportunizam agradáveis momentos de confraternização e reencontros com os “velhos amigos”

As vésperas desta tradicional festa que faz parte do calendário festivo e cultural de José de Freitas, reconhecendo e parabenizando a atuação e importância destes valorosos homens dentro da formação das mais diversas realidades do nosso município, o Portal Revista Opinião presta sua homenagem ao vaqueiro, buscando incitar em seus internautas o resgate e vivência da coragem, determinação e fé deste “cavalheiro do sertão”, que simboliza a resistência e independência moral do homem do simples, na construção de uma realidade mais justa e melhor para todos.

Por Luis Eduardo das Neves Silva – José de Freitas-PI


Revista Opinião