Estudante morre vítima de bala perdida em Teresina

Matéria publicada em, 12 de dezembro de 2015

A estudante Patrícia Pereira Costa da Silva, de 19 anos, morreu na tarde desta sexta-feira (11) vítima de bala perdida, após assalto no Centro de Teresina. O crime ocorreu por volta das 13h30 próximo à escola Benjamin Baptista, na rua João Cabral.

assalto

A polícia informou que três suspeitos em duas motocicletas tentavam realizar assalto a um homem ainda não identificado, que teria tentado reagir, e na confusão os assaltantes dispararam vários tiros. Segundo testemunhas, uma dos tiros atingiu Patrícia que passava pelo local.

“A polícia está em diligência. No momento ainda não temos nenhum suspeito, mas logo chegaremos aos suspeitos”, garantiu o delegado Humberto Mácola, da delegacia de Homicídio.

O ambulante Evandro de Oliveira, que trabalha próximo ao local, disse conhecer a jovem e sua família. “Conheço ela, o pai dela é comerciante lá no povoado Fazenda Soares, próximo à União, onde ela mora. Quando vi, ela já tinha sido atingida e chamei o Samu, mas ela já estava agonizando”, contou.

assalto 1

Evandro informou ainda que entrou em contato por telefone com uma vizinha para informar sobre o acontecido. “Eu liguei para lá e falei com a vizinha, mas ela ficou sem fala, e não sei se ela conseguiu entender e avisar para o pai da Patrícia”, continuou Evandro.

A bala atingiu as costas da estudante, que ainda tentou correr, mas caiu próximo ao local.

O IML e a perícia estiveram no local para realizar os exames.

Desespero da mãe

A dor e o desespero da mãe da estudante comoveram as pessoas que estavam por perto. Ao se deparar com o corpo da filha, a mãe correu e tentou abraçar a jovem. Como a perícia estava sendo feita para ter provas contra os criminosos, os policiais impediram que a mãe pegasse no corpo. Com a proibição, a mãe se revoltou e chorou desesperada. Ela teve que ser socorrida por populares e gritava: “por que fizeram isso com ela, eu quero a minha filha”.

assalto 2

No IML, o pai da jovem, o comerciante Antônio Francisco da Silva, informou que ficou sabendo da morte da filha por telefone.

“Ela estava no Centro com a mãe, as duas tinham se separado e elas iriam se encontrar depois naquele ponto. Fui lá pra ver, mas a mãe estava muito abalada, então eu vim para o IML resolver as coisas”, disse o pai emocionado.

O comerciante é separado da mãe da estudante. Elas moram na Fazenda Soares, próximo a cidade de União.

Fonte e imagem: Cidadeverde


Revista Opinião