Portal Revista Opinião

Em visita ao Piauí, presidente do TSE, Ricardo Lewandowski, assegura mais rigor na aplicação da Lei da Ficha Limpa nas próximas eleições

Matéria publicada em, 15 de outubro de 2011

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ricardo Lewandowski, disse ontem em Teresina que a legislação eleitoral é antiquada para combater a corrupção, mas considera que o recadastramento de eleitores para o voto biométrico e a aplicação efetiva da Lei Complementar nº 135, a Lei da Ficha Limpa, contribuirão para combater as fraudes e a corrupção eleitoral. O cruzamento de dados dos tribunais regionais, Receita Federal e Tribunal de Contas vão impedir a candidatura de corruptos, disse.

Presidente do TSE, ministro Ricardo Lewandowski

O ministrou falou em entrevista coletiva no hall do Metropolitan Hotel, em Teresina. Lewandowski  assegurou que a Justiça Eleitoral será mais rígida nas próximas eleições, em relação à Lei da Ficha Limpa. “Nós vamos atuar mais firmemente nas eleições municipais, porque, no nosso entendimento, a lei é constitucional e contribui para a moralização dos costumes políticos”, disse, informando que existe um questionamento sobre a constitucionalidade da lei.

O ministro disse que é a favor que a medida seja estendida para os ocupantes dos cargos de confiança no Executivo. “Existem casos diferentes que são de diferentes soluções. Cada caso é um caso. Mas, nas eleições a atitude é rigorosa contra a corrupção eleitoral. A Legislação é um tanto quanto antiquada, que precisa de consolidação e de uma atualização, mas é uma legislação satisfatória. Do ponto de vista de controle técnico, os TREs têm acordo com a Receita Federal e com o Tribunal de Contas da União para fazer cruzamento de dados e detectar caixa 2 e doações irregulares de campanha”, adiantou.

Segundo ele, quando o país todo se cadastrar do ponto de vista biométrico, não terá mais nenhuma possibilidade de fraude ou equívoco na identificação do eleitor. Ele se disse surpreso com o número de prefeitos eleitos no Piauí em 2008 que foram cassados acusados de compra de votos e abuso de poder político e econômico, e de eleições suplementares realizadas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Piauí. Até agora, foram cassados 50 prefeitos e realizadas 19 eleições suplementares. Há outras três eleições marcadas para novembro.

Para Lewandowski, o Tribunal do Piauí foi muito firme e rigoroso. “A avaliação é muito boa. Tivemos um grande número de prefeitos cassados, que revela a firmeza da Justiça Eleitoral, como também do Ministério Público e da população atenta para as irregularidades”, observou.

O ministro afirmou que o custo das eleições suplementares é alto, mas a democracia não tem preço. “Se a justiça eleitoral, que é uma instituição republicana, com a supervisão do Ministério Público e com toda a escala recursal que existe, entendeu que um prefeito deve ser cassado, então, que se façam eleições suplementares”, comentou.

Fonte: diariodopovo


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO