Portal Revista Opinião

Em razão da omissão do Estado, comerciante realiza operação tapa buraco na PI-113 entre JFreitas/THE

Matéria publicada em, 5 de julho de 2020

Por: Chagas Silva

Uma medida paliativa realizada pelo o comerciante da cidade de José de Freitas, Edim Fárias, está amenizando o sofrimento dos usuários da PI estadual 113, trecho que interliga o Município de José de Freitas a capital piauiense, Teresina, em razão da omissão dos governantes, o comerciante está agindo por conta própria e tapando os buracos dos trechos intransitáveis da rodovia Estadual.

A reportagem do Portal Revista Opinião, presenciou na tarde do último sábado, (04) a ação louvável do comerciante e seus ajudantes executando o serviço na PI-113,  na altura da localidade Cruizinhas, e na oportunidade conversou com o mesmo. Segundo ele, é um trabalho voluntário afim de amenizar alguns prejuízos da população que utiliza todos os dias a via estadual tomada por buracos em alguns pontos.

Comerciante Edim Fárias, na Pi-113 em José de Freitas

Ouça as palavras do comerciante durante o trabalho paliativo na PI-113

O comerciante relatou ainda que se desloca praticamente todos os dias de José de Freitas para Teresina, e a buraqueira atrapalha muito o percurso, além de causar prejuízos aos proprietários de veículos e oferecer risco constantes de acidentes, por tanto, cansado de esperar pelos os gestores públicos, resolveu agir por contra própria e fazer o trabalho paliativo, com o objetivo de melhorar o tráfego para si próprio e para os demais motoristas que cruzam a mesma diariamente.

O vigilante Paulo Cazuza, residente na zona rural de José de Freitas, foi vítima dos buracos da estrada estadual, o mesmo teve um prejuízo enorme com o rodão da sua motocicleta após cair em um buraco durante seu deslocamento para Teresina, onde trabalha como vigilante. Com o impacto, o rodão amassou chegando a trincar, sendo necessário um gasto de pelo menos R$ 300 reais para recuperar a roda, gasto este, que vai sair do próprio bolso do vigilante, mesmo pagando imposto caros para ter uma rodovia de qualidade.

Para realizar o serviço paliativo, Edim Fárias, utiliza piçarra misturado com cimento, que é transportado no seu próprio veículo, além disso, contratou dois homens para executar o trabalho braçal. Os custos são custeados pelo próprio comerciante. O serviço voluntário já está na sua terceira etapa, frisou o comerciante que lamentou a omissão dos gestores público quanto a situação da estrada estadual.

Em dezembro de 2019, o DER-PI (Departamento de Estradas de Rodagem) concluiu a recuperação de pelo menos 3 quilogrâmetros da rodovia estadual, porém, o problema da buraqueira voltou aparecer em outros trechos da malha asfáltica, ocasionando diversos transtornos para os usuários.


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO