Portal Revista Opinião

“Em drama de consciência, eu não me meto”, afirma promotor Eliardo Cabral sobre defesa antecipada de engenheiro

Matéria publicada em, 27 de setembro de 2011

Durante entrevista a um programa de televisão local no início da tarde desta terça-feira (27) o promotor Eliardo Cabral, que acompanha o caso da estudante Fernanda Lages, confirmou o que já havia dito ontem (26) em outro programa.

Promotor Eliardo Cabral

De acordo com o promotor, a morte da estudante teria sido queima de arquivo, pois ela saberia demais. “Nós temos provas que ela foi envolvida em uma trama e que saiu sabendo muito e acabou incomodando”, afirmou o promotor.

Eliardo Cabral também afirmou que a polícia possui provas para provar o que aconteceu e que a investigação não deve mudar de rumo se alguém poderoso estiver envolvido no crime. “ Se eu comesse na mão de alguém, não seria o promotor Eliador Cabral”, disse o promotor de justiça.

O promotor Eliardo Cabral também falou do fato de pessoas estarem se defendendo de acusações sem serem acusadas formalmente e ao ser questionado sobre o fato de que a família Castro estaria incomodada com as acusações contra o engenheiro Jivago Castro, o promotor respondeu alterado: “Eu não falei o nome da família de ninguém, se incomodou com as declarações, para mim é um bom sinal. Se alguém pegou a carapuça e enfiou na cabeça,que faça bom uso. Em drama de consciência, eu não me meto”, finalizou o promotor de justiça Eliardo Cabral.

Da Redação            Fonte GP1


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO