Portal Revista Opinião

Depois de ônibus apreendidos na PRF, usuários da São Joaquim voltam a reclamar dos serviços da empresa

Matéria publicada em, 10 de abril de 2014

Quase um ano depois das primeiras manifestações do “Movimento Acorda JF”, que por diversas vezes interrompeu o tráfego de veículos na PI-113, entre José de Freitas e  Teresina, chegando até a incendiar dois ônibus da empresa São Joaquim, detentora da linha entre as duas cidades, usuários voltam a se manifestar contra os maus serviços prestados pela empresa, depois que três ônibus foram apreendidos na noite de ontem (09/04).

Imagem: Lucas Gomes /facebook

Imagem: Lucas Gomes /facebook

Usuários utilizaram as redes sociais para demonstrar indignação contra a empresa São Joaquim na noite desta quarta-feira (09/04/14). As reclamações, segundo postagens, referem-se à superlotação, demora entre um ônibus e outro no horário do final da noite e péssimo estado físico dos veículos.

ônibus foram incendiados no dia 28 de junho de 2013

ônibus foram incendiados no dia 28 de junho de 2013

De acordo com um internauta, ele entrou em um ônibus em Teresina às 18h30 e somente chegou em José de Freitas por volta das 20h45, mais de duas horas depois, num trajeto que não passa de 50 km.

Os usuários denunciam ainda que três ônibus foram apreendidos pela Polícia Rodoviária Federal por excesso de passageiros, ou seja, superlotação, o que causou constrangimento em quem utilizava os coletivos, dentre outros aborrecimentos.

Manifestantes fechando a PI-113 na manhã do dia 28 de junho do ano passado

Manifestantes fechando a PI-113 na manhã do dia 28 de junho do ano passado

Acordos

O movimento acontecido em meados do ano passado em José de Freitas intitulado “Acorda JF” conseguiu, depois de muitas conversas com a empresa, parte do que reivindicava. Hoje, segundo a empresa, cerca de 2 mil usuários pagam 3 reias na passagem JF/THE ou THE/JF.

A empresa também assinou um termo de ajuste de conduta na presença do Ministério Público no município de José de Freitas.  Além disso, uma comissão foi formada por 16 pessoas representantes de vários segmentos da sociedade, ficando encarregada de fazer o cadastro dos usuários. Quanto à fiscalização, cabe justamente aos usuários, ao MP e à própria PRF ficar atentos aos serviços prestados pela empresa e denunciar.

Uma das maiores reivindicações dos usuários atualmente seria a quebra do monopólio da empresa sobre a linha Teresina/José de Freitas. Algumas pessoas já falam até em reacender as manifestações do último ano.

Da Redação

São joaquim

 


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO