Portal Revista Opinião

Crise: com 10 jogos, São Paulo de 2013 tem desempenho pior do que grandes que caíram

Matéria publicada em, 25 de julho de 2013

O desempenho do São Paulo até aqui no Campeonato Brasileiro é inferior, no mesmo momento da competição, ao da maioria de campeões brasileiros que caíram para a segunda divisão.

O desempenho do São Paulo até aqui no Campeonato Brasileiro é inferior, no mesmo momento da competição, ao da maioria de campeões brasileiros que caíram para a segunda divisão. Os oito pontos conquistados até agora em dez jogos disputados são inferiores ao de Corinthians (2007), Vasco (2008), Coritiba (2009) e Guarani (2010). E só é melhor do que o do Atlético Paranaense (2011) e Palmeiras (2012).

Rogério Ceni, um dos ícones da equipe tricolor, poderá aposentar-se dos gramados na 2ª divisão

Rogério Ceni, um dos ícones da equipe tricolor, poderá aposentar-se dos gramados na 2ª divisão

Além disso, o aproveitamento de 26,6% dos pontos, se mantido até o final da competição, credenciará o time do Morumbi à Série B. O levantamento foi feito em todas as edições do Brasileiro a partir de 2006, ano em que, pela primeira vez, o campeonato teve 20 clubes e quatro rebaixados. Desde então, não houve time com este aproveitamento que não tivesse descido.

Os números do São Paulo são muito ruins. Com oito derrotas seguidas, sendo cinco no Morumbi e onze jogos sem vitória, o São Paulo vive a maior crise de sua história. Veja abaixo a pontuação dos campeões brasileiros no ano em que caíram com dez jogos disputados e a pontuação atual do São Paulo:

2007 – Corinthians – 16 pontos

2008 – Vasco – 14 pontos

2009 – Coritiba – 10 pontos

2010 – Guarani – 14 pontos

2011 – Atletico Paranaense – 2 pontos

2012 – Palmeiras – 7 pontos

2013 – São Paulo – 8 pontos

O gigante tricolor do Morumbi precisa urgentemente de mudanças, não de elenco propriamente, mas de políticas internas, pois assim como os adversários grandes que já caíram, dificilmente uma crise interna, envolvendo a diretoria e comissão técnica, não tenha resvalado na parte mais sensível de uma equipe de futebol, o time que entra em campo. A atuação deste é um reflexo da instituição como um todo.

Da Redação


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO