Portal Revista Opinião

Comissão Eleitoral do Conselho Tutelar de José de Freitas recebe denúncia de suposta propaganda extemporânea

Matéria publicada em, 16 de outubro de 2015

A Comissão Eleitoral do Conselho Tutelar de José de Freitas-PI recebeu denúncia de suposta propaganda extemporânea de dois candidatos a uma das cinco vagas de conselheiro que serão decididas nas eleições diretas no próximo domingo, dia 18 de outubro de 2015 no município de José de Freitas.

Eleição-do-Conselho-Tutelar

A denúncia foi feita contra os candidatos Emanuel Antunes da Silva e Francisco de Assis da Silva Pinheiro. Segundo a denúncia, os dois supostamente teriam realizado propaganda em período proibitivo pelas regras do edital de eleição para escolha de novos conselheiros. Não tivemos acesso ao nome de quem fez a denúncia.

Edital

A propaganda fora de tempo dos dois candidatos teria sido feita na mesma data, no dia 09 de outubro de 2015, ambos em festejos de comunidades da zona rural de José de Freitas, sendo que o período permitido em edital seria de 12 a 16 de outubro.

Segundo a denúncia, o candidato Emanuel Antunes teria feito propaganda no dia 09/10 durante as festividades no povoado Ema, por ocasião da noite dos vaqueiros naquela comunidade. Já o candidato Francisco de Assis da Silva Pinheiro teria cometido o ato ilícito na comunidade Portal da Esperança, também por ocasião da noite dos vaqueiros, no dia 09/10. Na denúncia haveria imagens dos dois candidatos supostamente fazendo marketing nos dois festejos mencionados.

Por telefone falamos com a presidente da Comissão Eleitoral, que nos falou que a comissão realmente recebeu uma denúncia, que se reuniu com os candidatos, e juntos já resolveram o caso, inclusive lavrando em ata. Porém, não nos foi dita qual foi a medida tomada.

Em relação ao caso, o promotor Flavio Teixeira, disse que foi procurado informalmente pela comissão, porém sem detalhes. Mas disse que a comissão por sí é soberana pra tomar as decisões, no entanto, se algum candidato se sentir insatisfeito com a decisão tomada poderá entrar com uma ação na justiça.

Da Redação


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO