Cigarro encurta vida em 10 anos, aponta estudo

Matéria publicada em, 28 de janeiro de 2013

cigarro“Fumei a vida inteira e nunca tive nada”. A frase, muitas vezes usada para justificar o tabagismo como um hábito inofensivo, mostra que grande parte dos fumantes não está disposta a largar o vício. Entretanto, ao primeiro sinal de problemas pode ser tarde para dar um basta no cigarro, o que pode comprometer a longevidade. Isso é o que mostram novos estudos publicados no The New England Journal of Medicine, na última quinta-feira (24). A descoberta foi feita por especialistas americanos e canadenses de instituições como a Global Health Institute, em Toronto.

Foi analisado o histórico de 113.752 mulheres e 88.496 homens fumantes ou ex-fumantes com idade superior a 25 anos. Os pesquisadores estudaram registros dos participantes de 1997 a 2004. Eles concluíram, então, que tabagistas morrem, em média, 10 anos antes do que o restante da população. Isso mostra que, embora os efeitos nocivos do cigarro apareçam apenas em longo prazo, eles tendem a ser bastante agressivos.

A boa notícia, porém, é que largar o vício entre os 30 e 40 anos pode devolver até nove anos de vida do fumante. Se abandonado entre 40 e 50 anos, são até seis anos de vida recuperados. Depois dos 65 anos, é possível reaver cerca de quatro anos. Vale lembrar, entretanto, que, mesmo cessando o hábito, o risco de morte continua sendo maior do que o da população em geral. Sabendo disso, que tal estipular uma nova meta e parar de fumar? Aqui vão dicas de como tornar o processo menos sacrificante:

Evite locais com muitos fumantes
Da mesma forma que uma pessoa em dieta deve evitar um restaurante com pratos principais muito calóricos, quem deseja largar o cigarro precisa se afastar de lugares com muitos fumantes. “Ficar próximo à tentação nos primeiros dias sem cigarro pode ser muito difícil”, afirma a psicóloga Laura de Hollanda Batitucci Campos, das Clínicas Oncológicas Integradas (COI). Ela sugere ainda evitar consumir bebidas alcoólicas, já que beber está intimamente ligado ao hábito de fumar. “Com o tempo fica mais fácil conviver com outros fumantes”, diz.

Quebre a rotina
Para grande parte dos tabagistas, fumar é parte de uma rotina. Alguns fumam logo ao acordar enquanto tomam uma xícara de café. Outros, infalivelmente, depois do almoço. Por isso, para enganar a vontade de fumar, é fundamental quebrar esses hábitos. “Mude o local da refeição, varie os pratos e as horas das suas atividades”, aconselha Maria Teresa.

Concentre-se em outra atividade
“Nos primeiros dias longe do cigarro, o ex-fumante tem picos de vontade extremamente perigosos, mas que duram apenas alguns minutos”, afirma Laura. Nesses momentos, a melhor saída é se distrair com alguma atividade que exija concentração e que, de preferência, mantenha boca e mãos ocupadas. Quando sentir que está passando por um desses picos, levante e vá escovar os dentes, beba um copo de água ou mastigue alguma coisa. “Só não coma alimentos muito calóricos para não engordar e, mais tarde, alegar que o ganho de peso é resultado do abandono do cigarro”.

Busque apoio da família e de amigos
Tentar envolver amigos e familiares na luta contra o tabagismo pode tornar a tarefa de abandonar o cigarro muito mais fácil. “Com mais aliados nessa luta, todos ficam mais motivados e não há a tentação de conviver tão de perto com alguém que fuma e não tem objetivo de parar”, afirma Laura.

Não desenvolva outro vício
De acordo com a psicóloga Maria Teresa, o cigarro funciona como uma válvula de escape da ansiedade para a maioria dos fumantes. Por isso, parar de fumar é resolver apenas parte do problema. “A ansiedade ainda precisa ser extravasada de alguma maneira e o perigo é o ex-fumante investir em hábitos pouco saudáveis para isso, como consumir alimentos altamente calóricos”. O apoio de uma nutricionista pode ajudar a vencer esse obstáculo, tornando o combate ao vício menos penoso.

Tenha autocontrole
Afinal, você está realmente disposto a parar de fumar? Para a psicóloga Laura, o ponto mais importante nessa luta é ter força de vontade. “Não é uma tarefa fácil, mas ela é possível. Suporte profissional e dedicação absoluta são essenciais para você alcançar sua meta”. Tendo em mente as incontáveis vantagens de acabar com o vício e a motivação que fez você dar o primeiro passo, é bem provável ser bem sucedido.

Sempre tente mais uma vez
“Recaídas significam apenas que a tentativa seguinte será menos penosa”, incentiva Maria Teresa. Segundo ela, estar familiarizado com as principais sensações da abstinência deixa o ex-fumante mais tranquilo e bem preparado. Além disso, o cigarro pode ser abandonado a qualquer momento. “Não importa se você tem 20 ou 80 anos, pode começar uma vida sem cigarro quando quiser”.

Fonte: Minha Vida / msn


Revista Opinião