CBF corrige ranking, e Palmeiras ‘toma’ a liderança do Santos

Matéria publicada em, 14 de dezembro de 2011

Um dia após divulgar seu novo ranking de clubes, atualizado pela primeira vez com os títulos nacionais entre 1959 e 1970, a CBF revisou a relação em que o Santos havia assumido o topo no lugar do Grêmio, líder até o ano passado, e agora a primeira colocação ficou com o Palmeiras.

O presidente do Santos, Luis Álvaro (à esq.), e o representante do Palmeiras, Salvador Hugo Palaia, seguram troféus durante a festa da unificação dos títulos nacionais promovida pela CBF em 2010

 

Das 14 conquistas daquele período, embrião do Campeonato Brasileiro como é conhecido hoje, a confederação não tinha contabilizado uma: a do Palmeiras comandado por Ademir da Guia e Djalma Santos no Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1967, em quadrangular decisivo contra Internacional, Grêmio e o arquirrival Corinthians.

Em comunicado divulgado às 15h49 desta quarta, a CBF afirma que “constatou ter havido uma falha de contagem”. “Dada essa constatação, estamos, pelo presente, publicando as tabelas corrigidas”, acrescentou, antes de completar: “Com as correções efetuadas, a Sociedade Esportiva Palmeiras é o primeiro clube do RNC [Ranking Nacional dos Clubes], vindo o Santos FC em segundo, assim como invertem-se as posições de Inter (passa para 7º) e Cruzeiro (para 8º). As demais posições permanecem as mesmas”.

O ranking da CBF define a quantidade de vagas por Estado em torneios da entidade, como a Copa do Brasil, na qual é critério para a entrada de dez dos 64 times. Nono no Campeonato Paulista de 2007, o Corinthians só participou da disputa de 2008 graças à lista, que, a partir de 2013, ganha ainda mais importância e credenciará automaticamente uma equipe às oitavas de final, quando apenas cinco brasileiros forem à Libertadores.

Cada troféu brasileiro vale 60 pontos no ranking. O vice ganha 59. O terceiro 58, e assim por diante.

A situação ocorreu porque a temporada de 1967 é a única na história em que uma mesma equipe foi campeã duas vezes. Após seis meses, o Palmeiras ainda faturaria a Taça Brasil, também reconhecida pela CBF como Brasileiro. Mas a entidade havia “esquecido” de somar essa ao grupo.

O caso se repetiu em 1968, quando o Santos levantou o “Robertão” e o Botafogo ergueu a Taça Brasil. Porém, ao contrário dos títulos do ano anterior, ambos figuravam simultaneamente antes da correção da relação.

Os resultados de todas as quatro divisões do futebol nacional e da Copa do Brasil são levados em consideração para a elaboração do ranking histórico.

A unificação dos canecos pré-1971, com direito a lobby de Pelé e João Havelange (presidente de honra da Fifa e mandatário da CBF no período), foi chancelada em dezembro do ano passado, inclusive com solenidade e presença da dupla. Além dos paulistas, Bahia, Cruzeiro, Botafogo e Fluminense foram campeões na época.

VEJA COMO FICOU:

1º – Palmeiras – 2366 pontos
2º – Santos – 2358
3º – Vasco – 2234
4º – Grêmio – 2208
5º – Flamengo – 2207
6º – Corinthians – 2197
7º – Internacional – 2170
8º – Cruzeiro – 2114
9º – São Paulo – 2109
10º – Atlético-MG – 2080
11º – Botafogo – 1846
12º – Fluminense – 1841
13º – Coritiba – 1588
14º – Bahia – 1586
15º – Goiás – 1556
16º – Guarani – 1547
17º – Sport – 1539
18º – Portuguesa – 1446
19º – Atlético-PR – 1428
20º – Vitória – 1392
21º – Náutico – 1308
22º – Santa Cruz – 1151
23º – Paraná – 1110
24º – Ceará – 1108
25º – Ponte Preta – 1087
26º – Juventude – 869
27º – Remo – 855
28º – Fortaleza – 845
29º – América-RN – 742
30º – Criciúma – 733

Ao todo, são 431 clubes representados no ranking da CBF.

Fonte: uol


Revista Opinião