Portal Revista Opinião

Câmara de Vereadores realiza reunião para tratar da legalização de terras da barragem do bezerro em J. de Freitas

Matéria publicada em, 12 de junho de 2018

Por; Chagas Silva Para o Revista Opinião

Na manhã da última segunda-feira 04 de Junho de 2018, aconteceu uma reunião no plenário do Poder Legislativo do município de José de Freitas, com o Presidente da EMGERPI Décio Solano e a advogada do referido órgão Doutora Ana Lúcia, Vereadores, Secretária de Ação Social e Cidadania Fátima Pinto, Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais Maria da Cruz, Promotor de Justiça Flávio Teixeira, Presidente da Associação dos Barraqueiros da Barragem do Bezerro Marluce Maria e Presidentes dos Bairros Marmelada, São Sebastião e Vila São Francisco, para discutir sobre as legalizações de terrenos no entorno da Barragem do Bezerro. A reunião foi aberta pelo presidente da Casa Vereador Roberval Santos.

O Promotor de Justiça Flávio Teixeira, relatou que a Barragem do Bezerro não se limita apenas a área de produção, esclarecendo que no lado B existem 32 (trinta e duas) barracas, cerca de 20 está fechada e que irão se perder. Esclareceu também, que o ministério público entrou com uma ação para SEMAR estabelecer uma área de preservação que todos tenham o mesmo direito. Falou ainda que é pago para cumprir a lei em cima de quem quer que seja.

Advogada da EMGERPI, falou que desde quando o promotor Flávio Teixeira teve a iniciativa de instaurar um inquérito civil público que tiveram uma grande plenária na barraca do Juarez, fazendo com que a EMGERPI iniciasse um trabalho, que agora estar em outra circunstância, decorrente da situação emergência causada pela possibilidade do rompimento da barragem, mas desde o ano de 2016 que fazem o levantamento ocupacional dialogando com todas as entidades.

O Ambientalista Pelezinho, disse que participou de algumas manifestações, nas quais, percebe-se que o Estado não tinha um plano elaborado, que deveria delimitar as áreas de quase 1.000 hectares, no qual deste total, 20% era área de reserva, havendo a omissão por parte dos órgãos Estaduais.

O Presidente da EMGERPI, Décio Solano, disse que as regras foram descumpridas ao longo do tempo, e o que estão fazendo é um trabalho de prevenção para que não aconteça uma catástrofe. E que a justiça através de uma ação civil pública estar tentando resolver de forma definitiva para que as pessoas sejam beneficiadas dentro da lei de forma definitiva.

O Vereador Alfredo Holanda, falou que é uma situação muito delicada pelo tempo que transcorreu, e que buscam no momento encontrar uma solução que não crie danos as famílias, mas que seja bom para sociedade, Estado e Município.

O Vereador Pampa, defendeu as pessoas que á mais de 20 anos moram nas proximidades da barragem do bezerro, o parlamentar disse ainda, que é preciso se pensar no lado humano e que deveria ter um acompanhamento para informar as ações erradas naquele local.

O Vereador Zilzimar declarou ainda, que o verdadeiro sentido da Barragem é matar a fome do povo mais carente do Município, através da piscicultura e agricultura, e que fica triste de participar de uma reunião onde as pessoas que moram em torno do balneário são ameaçadas. Para definir a problemática da terras no entorno da barragem, deverá acontecer outras reuniões com os mesmos órgãos e povo.

Fonte: Câmara Municipal de J. de Freitas / Imagens: Josiel Saraiva


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO