Bell Marques anuncia que vai deixar o Chiclete com Banana em 2014

Matéria publicada em, 10 de setembro de 2013

O cantor Bell Marques anunciou que vai deixar a banda Chiclete com Banana, a partir do carnaval de 2014. O anúncio foi feito através do YouTube, nesta terça-feira (10). Não há informação de quem irá comandar a banda depois do carnaval.

Após o anúncio, o cantor declarou em uma rede social que o momento é muito triste, mas que irá continuar cantando. Segundo a assessoria, Bell seguirá em carreira solo.

Bell Marques anuncia sua saída da banda que o consagrou
Bell Marques anuncia sua saída da banda que o consagrou

“Gente, é um momento muito triste, mas estarei sempre cantando pra vcs com o mesmo carinho”, disse o artista por meio do Twitter.

“Não sei como agradecer, todas as mensagens de apoio, sem duvida é a decisão mais difícil da minha vida profissional, estou muito triste tbm (sic.)”, completou o cantor em outro post.

“Não vamos esquecer, cantarei com o Chiclete até o carnaval de 2014”, disse na rede social.

Histórico
O Chiclete com Banana é uma das bandas de axé mais tradicionais do carnaval de Salvador. São 30 anos de sucesso. Lançou seu primeiro disco no ano de 1983 e não parou mais de fazer sucesso em todo o Brasil. Já Bell, puxa os blocos Nana Banana, Voa Voa e Camaleão.

Músicas como “Diga que Valeu”, “Não vou Chorar”, “100% Você”, “Cara Caramba”, “Cabelo Duro é Assim”, “Chicleteiro Eu, Chicleteira Ela”, “Cabelo Raspadinho” e “Nana Banana” são alguns dos sucessos do grupo, que ficaram famosas na voz de Bell.

Atualmente a banda é formada por Bell Marques (voz e guitarra), Wado Marques (teclados), Waltinho Cruz (percussão), Lelo Lobão (contrabaixo), Deny (persussão) e Walmar Paim (bateria), e com a participação exclusiva do mixer de som Wilson Marques.

O grupo já gravou 27 discos e dois DVDs, além de ter conquistado prêmios pelo Brasil e exterior. A banda faz em média 130 shows por ano.

Da Redação                                                                                               Fonte: G1


Revista Opinião