Aluna de direito é assassinada em Teresina

Matéria publicada em, 25 de agosto de 2011

Fernanda Lages
A estudante de Direito, Fernanda Lages Veras, 19 anos, filha do ex-vereador de Barras, Paulo César Lages Veras, foi encontrada morta na madrugada desta quinta-feira (25) na obra da construção do prédio da Procuradoria Regional da República, localizado na avenida João XXIII.

A vítima apresentava escoriações por todo o corpo, inclusive na cabeça, com golpes desferidos com barra de ferro. De acordo com a assessoria da Procuradoria Geral da República, segundo informações do vigia da obra do MPF, o suspeito é um homem que foi com ela até o local na madrugada desta quinta-feira. Segundo ele, a vítima e o agressor deixaram o carro na avenida e teriam chegado à obra do MPF pela construção do TRT em um local onde não há cerca. No chão há massa encefálica, muitas gotas de sangue e pegadas. A vítima estava de vestido, com a chave do carro e celular e um sapato vermelho.
Segundo as primas da garota, ela morava em Teresina com os tios, trabalhava em uma loja no shopping e era estagiária de um fórum de uma faculdade particular. A vítima teria ganhado um carro há pouco tempo, um Uno preto, encontrado na frente da obra.
De acordo com o delegado titular do 5º DP, Mamede Rodrigues, ainda não há uma linha de investigação, mas segundo o relato do vigia do TRT, ele viu apenas uma pessoa, aparentemente um homem, entrando de madrugada, às 5h30. Quando o outro vigia chegou foi que encontrou o corpo. “Ela tinha um relacionamento, mas as investigações ainda vão ocorrer para ver o que realmente aconteceu”, declarou.
Local onde a estudante foi encontrada morta, prédio MPF em Teresina
Mamede diz que a vítima tem várias escoriações pelo corpo, mas o golpe fatal foi na cabeça. O corpo está sendo levado para o IML.  Os dois vigias da obra foram levados para o IML para prestar esclarecimentos.
Corpo de fernanda Lages Veras
Atualizada às 15h30min

A Polícia já tem linhas de investigação a seguir no que diz respeito ao crime que matou a estudante do curso de Direito Fernanda Lages, de 21 anos de idade, encontrada morta na manhã desta quinta-feira (25/08) nas obras da nova sede da Procuradoria da República – Ministério Público Federal (MPF-PI). Uma delas diz respeito a possibilidade de crime passional.

Segundo o delegado Mamede Rodrigues, do 5º Distrito Policial, o ex-namorado dela, conhecido Pablo, foi chamado para depor e relatar o que sabe sobre a jovem. O delegado colhe depoimentos desde o início das investigações, logo após a perícia descartar a possibilidade de suicício e confirmar que ela foi na verdade assassinada brutalmente, com marcas de madeira e ferro.

Já se tem todo o trajeto do que a jovem teria feito antes do crime. Segundo depoimentos de amigas, colhidos pelo 5º DP, Fernanda Lages teria ido a uma festa na casa de shows ‘Baruc’ e depois passou pelo restaurante ‘Chão Nativo’, ambos na zona Leste de Teresina. “Era por volta das 4h30 da manhã quando, segundo suas amigas, ela disse que ia pra casa”, disse o delegado. Para piorar a situação, todas as ligações do seu telefone celular, recebidas e discadas, foram apagadas.

O delegado não entra em detalhes sobre os depoimentos colhidos. “Nós temos já uma linha de investigação a seguir, mas ainda precisamos ouvir mais pessoas, como o namorado dela (Pablo), que alguns dizem que é ex e outros.

Quebra do sigilo telefônico

O delegado Mamede Rodrigues, titular do 5º Distrito Policial, pediu a quebra do sigilo telefônico da universitária Fernanda Lages Veras. A solicitação foi motivada por não existirem registros de chamadas realizadas horas antes do crime no telefone celular da vítima. Após as informações obtidas através das ligações feitas e recebidas pela estudante, o delegado acredita que estará bem mais próximo de elucidar o caso.

Assassino

Os policiais que investigam o assassinato da estudante de Direito Fernanda Veras, 19 anos, já identificaram um dos suspeitos do crime. Após ouvir vários depoimentos, o delegado do 5º DP, Mamede Rodrigues, chegou a um dos criminosos. Por questão de segurança, a Polícia não revelou o nome do suspeito. A polícia vai aguardar os resultados das pericias – exame de DNA e do material encontrado no local do crime – para comparar as digitais e vestígios com o do acusado. Segundo informações da Polícia, um dos suspeitos trabalha na obra onde o corpo de Fernanda foi encontrado. A principal testemunha é o vigia Domingos Pereira da Silva, 55 anos. Seu depoimento foi fundamental para a elucidação do crime.

 

Cúpula de Segurança

O  secretário de Segurança, Raimundo Leite, os delegados geral James Guerra, Mamede Rodrigues, coordenador da Cico (Comissão Investigadora do Crime Organizado) e os diretores do Instituto de Criminalística se reuniram na tarde deste sábado no 5º DP para tratar sobre estratégias da investigação. O delegado Mamede Rodrigues disse em entrevista ao CidadeVerde.com que pode fazer a reconstituição do crime na próxima semana. O corpo da jovem de 19 anos foi encontrado em uma construção na avenida João XXIII.

 

Principal suspeito

Depois de quebra de sigilo telefônico feito pela Polícia Civil chegou-se ao principal suspeito da morte da estudante de direito Fernanda Lages, de 19 anos, que foi assassinada na quinta-feira (25).

A Polícia Civil verificou todas as ligações recebidas e realizadas por Fernanda Lages junto à operadora de telefonia celular e conseguiu localizar as ligações via GPS.

O principal suspeito do assassinato da estudante de direito é um engenheiro, que supostamente teria relacionamento amoroso com a jovem.

A Polícia Civil já tentou localizar o acusado, que está foragido desde o dia da morte de Fernanda Lages. Um mandado de prisão será expedido até a manhã desta segunda-feira contra o engenheiro.

Da Redação           Fonte e Fotos: cidadeverde / 180 graus


Revista Opinião