Portal Revista Opinião

Alegando crise nos municípios, prefeitos do PI fecham a Frei Serafim em protesto

Matéria publicada em, 27 de agosto de 2015

Dezenas de prefeitos do Piauí realizaram um protesto na manhã desta quinta-feira (27) em Teresina. Os gestores cobram providências do governo federal contra as dificuldades financeiras que afetam os municípios. O ato começou por volta das 9h na Assembleia Legislativa do Piauí, onde os gestores foram recebidos pelo presidente do Poder Legislativo e outros deputados estaduais.

(Foto: Vitor Sousa/ O Olho)

(Foto: Vitor Sousa/ O Olho)

Uma carta com diversas reivindicações dos prefeitos foi entregue aos deputados e em seguida os políticos saíram em caminhada pelas ruas da capital. Um dos sentidos da avenida Frei Serafim foi tomado pelos gestores. De acordo com a Associação Piauiense de Municípios (APPM), 154 prefeitos participaram do ato.

“Não temos mais condições de manter as despesas geradas pelos programas federais que são jogados para os municípios. As prefeituras esgotaram completamente seus recursos, pois o governo transfere o ônus, mas esquece o bônus”, falou o presidente da APPM, Arinaldo Leal, depois de ler a carta municipalista para os prefeitos.

A maioria dos gestores municipais alega que as prefeituras enfrentam sérias dificuldades até mesmo de pagar as despesas mensais e honrar a folha salarial dos servidores. Segundo eles, o pagamento do 13º salário no fim do ano também está ameaçado caso uma atitude não seja tomada para ajudar os municípios.

“Esse ato é um pedido de clemência, pois as prefeituras estão agonizando. Na minha cidade 57% da receita está comprometida com a folha salarial dos servidores e somente de combustível são gastos R$ 95 mil por mês, tudo isso com um Fundo de Participação dos Municípios muito baixo”, disse o prefeito de Simões, a 440 km deTeresina, Francisco Dogizete (PROS).

O prefeito de Anísio de Abreu, a 568 km de Teresina, Isaac Antão Ribeiro (PDT), também relatou que a cidade enfrenta sérios problemas devido os baixos repasses feitos às prefeituras. Segundo ele, o município tem quase 10 mil habitantes, mas recebe o mesmo valor do FPM daqueles que possuem 3 mil habitantes.

“Chega um momento na prefeitura que o gestor tem que escolher se paga os servidores ou os fornecedores. Chego a pagar R$ 160 mil por mês só para Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)”, comentou o prefeito.

Fazendo duras críticas ao governo federal e aos gritos de ‘prefeitos unidos, jamais serão vencidos’, os gestores municipais caminharam até o Palácio de Karnak para entregar a carta ao governador Wellington Dias (PT).

O governador recebeu os prefeitos na frente da sede do governo, ouviu as reivindicações e prometeu apoiar a luta dos gestores.

Governador recebeu prefeitos no Palácio de Karnak e ouviu reinvindicações (Foto: Gustavo Almeida/G1)

Governador recebeu prefeitos no Palácio de Karnak e ouviu reinvindicações (Foto: Gustavo Almeida/G1)

“Estão corretos os municípios de terem união nesse momento. Reforço o compromisso de estar junto com os prefeitos, pois o governo do estado será parceiro nesse momento de dificuldade. Vamos priorizar obras inacabadas e formar um grupo de trabalho entre municípios e estado para dialogarmos com o governo federal”, falou o governador.

Fonte: G1


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO