Portal Revista Opinião

Aeroporto de São Raimundo Nonato já consumiu mais de R$ 100 milhões

Matéria publicada em, 25 de julho de 2011

Obras estão praticamente paralisadas e bichos invadem a pista de pouso e decolagem inaugurada em 2009.

As obras do terminal de passageiros do Aeroporto Internacional Serra da Capivara, em construção na zona rural do município de São Raimundo Nonato (525 km de Teresina), estão em ritmo lento, praticamente paralisadas desde a inauguração da pista em 2009. No final da semana passada, quando nossa reportagem esteve no local, apenas 4 funcionários da construtora Sucesso trabalhavam no canteiro de obras equipados com carrinho de mão e algumas ferramentas.

Avião arrisca e decola em pista frequentada por animais, vezes na pista

Desde o início da obra no começo da década de 2000 já foram gastos quase R$ 100 milhões. Apesar de parte do pátio de manobras e da pista de pouso e decolagem ter sido concluída e inaugurada em meados de 2009 durante o Global Rock Art, um congresso internacional de arte rupestre, nem mesmo a cerca instalada no local vem sofrendo manutenção e parece ter sido danificada, pois constantemente animais como vacas e jumentos são vistos “pastando” no local, representando um risco eminente de acidentes. Nossa equipe estava no aeroporto exatamente na hora que um pequeno avião fazia a decolagem numa pista recheada de fezes desses animais. Em outra oportunidade, com a equipe do SBT Repórter, conseguimos filmar os bichos nas margens da pista do aeroporto.

Obras do aeroporto internacional de São Raimundo Nonato-PI paralisadas

Nem mesmo a empresa Esaero terceirizada pelo governo do Piauí e que fazia a manutenção do aeroporto, controlando a entrada e saída de visitantes e passageiros, se encontra mais no local. Algumas semanas atrás, uma das duas aeronaves da empresa NoAr, que segundo o secretário de turismo do Piauí, faria vôos para São Raimundo Nonato, sofreu acidente em Recife com 16 vitimas fatais. Investigada pelo Ministério Público Federal, alguns dias depois a empresa encerrou suas atividades.

Vista interna do Terminal de Embarque e Desembarque com obras paralisadas

Sem vigilância, com as obras praticamente paralisadas, com parte da sinalização noturna instalada no local já danificada e sem o menor controle das pessoas e bichos que entram no canteiro de obras, a situação do Aeroporto Internacional Serra da Capivara não é das melhores, levando grande parte da população a acreditar que ainda serão necessários vários anos e campanhas eleitorais até que as obras estejam efetivamente concluídas e o aeroporto funcionando adequadamente.

Placa da obra de construção do terminal de passageiros

Muitos moradores de São Raimundo Nonato alimentam a esperança que o aeroporto, quando concluído, terá vôos para as principais capitais do país e até para o exterior, tendo em vista que foi batizado de Aeroporto Internacional Serra da Capivara. Lego engano. Em recente entrevista, o presidente da Infraero foi enfático: “não temos interesse em administrar pequenos aeroportos no interior do país, nosso foco está voltado para os aeroportos com grande movimento e toda a prioridade é para prepará-los para a Copa do Mundo em 2014”.

Parte interna do saguão onde funcionaria as lojas de serviços das companias aéreas

Além disso, para que um aeroporto possa receber vôos internacionais é preciso atender uma série de exigências que a região de São Raimundo Nonato ainda não dispõe, caso de uma base da Polícia Federal, funcionários especializados da Receita Federal, um escritório da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e do Ministério da Saúde, além de vários outros órgãos nacionais que trabalham em conjunto. Em caso de acidente, o maior hospital de toda microrregião de São Raimundo Nonato, o Senador Cândido Ferraz, não dispõe de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Vista da parte superior do terminal de passageiros do aeroporto internacional de SRN

Para se ter noção das dificuldades em implementar o aeroporto de São Raimundo Nonato, basta dizer que a cidade não possui, nem mesmo, uma simples guarnição do Corpo dos Bombeiros, medida preventiva necessária até mesmo para que pequenas aeronaves utilizem o local, coisa que é feita atualmente sem o menor controle ou segurança, conforme mostram as imagens da pista recheada de fezes de animais. Atualmente o “aeroporto” só dispõe de licença para operar como aeródromo. (AP).

 

FONTE: portal meionorte

 


Revista Opinião
ESPORTES
ENTRETENIMENTO