OPINIÃO: A PAISAGEM POLÍTICA NÃO É MAIS A MESMA

Matéria publicada em, 28 de março de 2011

Deixe a pobrezinha viver!

Atenção a todos os “assessores aleatórios” de políticos, vocês não precisam mais temer ficar recebendo um contra-cheque sem ter uma função especifica e não fazer nada pelo salário. Bem como, ser criticado pela sociedade por viver apenas às custas de adulações. Vocês agora podem ocupar a função de “orientador de paisagismo”. A mais nova função no ramo da nossa já surrada e velha politicagem.

Além do nome muito bonito, o cargo não exige qualificação ou grau de instrução, o serviço consiste em apenas andar pela cidade e quando encontrar uma árvore que não goste, você manda cortá-la: simples, fácil, prático. Você ainda terá total discricionariedade, pois não precisa nem comunicar para a secretaria de meio-ambiente, IBAMA, ou coisa do tipo: você é quem manda.

A remuneração depende só do seu grau de afinidade com o político que você “assessora” e também com o grau de poder do seu “assessorando”. Porque, de repente, se ele for o governador, ele pode até te dá a maior comenda do estado, o mérito do renascença. E aí você poderá justificar que não recebeu molim, molim tal laurel apenas por ser assessor, mas porque você é o orientador de paisagismo, o melhor.

O único incômodo é que você poderá entrar em um dilema:

Se você não mandar cortar nenhuma árvore, seu chefe poderá achá-lo desocupado.

Se você mandar cortar, o meio-ambiente não agradecerá muito e os ambientalistas também, assim como nós do partido verde.

Espero que opte pela segunda opção. E para não perder o emprego, diga ao seu amado chefe que as pessoas gostam das árvores e que precisamos delas por sua sombra, pelo clima que esfriam e principalmente pelo oxigênio que nos ofertam. E que, apesar disso, não poder ser convertido em voto, pode ser usado para a promoção da sua imagem, passando a ser conhecido como “amigo e defensor do verde”.

Agora, se por algum instante, você estiver cansado de não fazer nada, tudo bem, mas não mande derrubar, não desconte nas pobrezinhas. Faça apenas a poda, o que favorece seu crescimento, ou mande plantar mais árvores. Por favor.

Por Marcio Melo (professor da rede municipal em Teresina, especialista em Estudos Literários e acadêmico do Curso de Direito na UESPI)


Revista Opinião