Autos índices de rejeição entre prefeitos aponta Roger em baixa, diz pesquisa

Matéria publicada em, 10 de julho de 2018

Foi iniciada pelo BrVox no último mês a divulgação de uma série de pesquisas municipais, que medem a aprovação dos prefeitos piauienses. Os levantamentos do BrVox nas principais cidades mostra que os prefeitos, eleitos ou reeleitos no pleito de 2016, sofrem com as consequências do descrédito da população na classe política.

A maior registrada até agora é do prefeito de União, Dr. Paulo Henrique (PSD), reprovado por 78%. O médico cardiologista venceu com uma margem apertada a eleição que disputou contra Gustavo Medeiros, então prefeito de União. As últimas urnas decidiram pela vitória de Paulo Henrique, que em um ano e meio de gestão, ainda não conseguiu conquistar os munícipes.

Padre Walmir (PT), de Picos, tem a segunda maior reprovação dentre as avaliações até agora divulgadas pelo BrVox/180. 75% disseram não aprovar a gestão do petista, que nas urnas venceu o ex-prefeito Gil Paraibano (PP). Disputa local que acirrou, na época, os ânimos entre Wellington Dias (PT) e o seu principal aliado na base governista, Ciro Nogueira (PP). O próprio senador manifestou que a disputa estremeceu a relação com o chefe do Executivo, crise que já foi superada.

Foi também uma eleição apertada que acabou na vitória de Maria José (MDB), de Fronteiras. Era vice-prefeita quando decidiu pela disputa, com apoio do governador Wellington Dias. De lá pra cá, não convenceu 69% dos entrevistados, os quais manifestaram reprovação a sua gestão.

O prefeito Professor Ribinha (PT) é marinheiro de primeira viagem. Eleito na sombra do antecessor, Paulo Martins – de quem apesar do apoio, tentava se desvencilhar e vender a imagem de uma nova gestão – o prefeito vem enfrentando problemas que já ganharam repercussão nacional, como o caso das crianças atravessando o rio em uma boia no caminho da escola, exibido no Fantástico. Entre os entrevistados no município, alcançou reprovação de 61%.

O prefeito de Pedro II, Alvimar Martins (PP), é uma das vitórias do partido de Ciro Nogueira na queda de braço que travou com o PT de Wellington Dias. Hoje com reprovação de 56%, ele derrotou a então prefeita Neuma Café (PT)´.

Empatados com 49% de reprovação, os prefeitos de José de Freitas e Miguel Alves, Roger Linhares (PP) e Oliveira Júnior (PT), respectivamente. A menor reprovação das divulgadas até agora é a do prefeito de Parnaíba, Mão Santa (SD). Somente 31% disseram reprovar sua gestão.

Os levantamentos denotam o perfil ainda mais crítico dos cidadãos, que não querem esperar por quatro anos para que mudanças significativas aconteçam em suas cidades. Um ano e meio no comando da prefeitura lhes parece tempo suficiente para que prefeitos e prefeitas tomem as rédeas do desenvolvimento, pelo bem estar geral.


Revista Opinião